terça-feira, 19 de setembro de 2017

PESQUISA CNT: LULA É FAVORITO E VENCE EM TODOS OS CENÁRIOS PARA 2018

RICARDO STUCKERT
247 - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é o favorito dos eleitores brasileiros para 2018. Pesquisa CNT/MDA, divulgada nesta terça-feira (19), mostra que Lula lidera as intenções de voto em todos os cenários avaliados. A intenção de voto estimulada em Lula varia, nos três cenários, entre 32% e 32,7% para o primeiro turno. No segundo turno, a intenção de voto estimulada fica entre 39,8% e 42,8%.

No levantamento que aponta a intenção de voto espontânea, Lula fica à frente dos demais nomes com 20,2% no primeiro turno. O segundo colocado é Jair Bolsonaro, com 10,9%. Na pesquisa divulgada em fevereiro deste ano, o ex-presidente tinha 16,6% das intenções de voto.

O levantamento foi realizado entre os dias 13 e 16 de setembro de 2017 e ouviu 2.002 entrevistados. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais com 95% de nível de confiança.

Veja todos os cenários:

1º turno: Intenção de voto espontânea

Lula: 20,2% 
Jair Bolsonaro: 10,9% 
João Doria: 2,4%
Marina Silva: 1,5%
Geraldo Alckmin: 1,2%
Ciro Gomes: 1,2%
Álvaro Dias: 1,0%
Dilma Rousseff: 0,7%
Michel Temer: 0,4%
Aécio Neves: 0,3%
Outros: 2,0%
Branco/Nulo: 21,2%
Indecisos: 37,0%

1º turno: Intenção de voto estimulada

CENÁRIO 1: Lula 32,4%, Jair Bolsonaro 19,8%, Marina Silva 12,1%, Ciro Gomes 5,3%, Aécio Neves 3,2%, Branco/Nulo 21,9%, Indecisos 5,3%.

CENÁRIO 2: Lula 32,0%, Jair Bolsonaro 19,4%, Marina Silva 11,4%, Geraldo Alckmin 8,7%, Ciro Gomes 4,6%, Branco/Nulo 19,0%, Indecisos 4,9%.

CENÁRIO 3: Lula 32,7%, Jair Bolsonaro 18,4%, Marina Silva 12,0%, João Doria 9,4%, Ciro Gomes 5,2%, Branco/Nulo 17,6%, Indecisos 4,7%.

2º turno: Intenção de voto estimulada

CENÁRIO 1: Lula 41,8%, Aécio Neves 14,8%, Branco/Nulo: 39,6%, 
Indecisos: 3,8%.

CENÁRIO 2: Lula 40,6%, Geraldo Alckmin 23,2%, Branco/Nulo: 31,9%, Indecisos: 4,3%.

CENÁRIO 3: Lula 41,6%, João Doria 25,2%, Branco/Nulo: 28,8%, 
Indecisos: 4,4%.

CENÁRIO 4: Lula 40,5%, Jair Bolsonaro 28,5%, Branco/Nulo: 27,0%,
Indecisos: 4,0%.

CENÁRIO 5: Lula 39,8%, Marina Silva 25,8%, Branco/Nulo: 31,3%, 
Indecisos: 3,1%.

CENÁRIO 6: Jair Bolsonaro 28,0%, Geraldo Alckmin 23,8%, Branco/Nulo: 40,6%, Indecisos: 7,6%.

CENÁRIO 7: Marina Silva 28,4%, Geraldo Alckmin 23,6%, Branco/Nulo: 41,5%, Indecisos: 6,5%.

CENÁRIO 8: Jair Bolsonaro 32,0%, Aécio Neves 13,9%, Branco/Nulo: 46,4%, Indecisos: 7,7%.

CENÁRIO 9: Marina Silva 33,6%, Aécio Neves 13,0%, Branco/Nulo: 47,3%, Indecisos: 6,1%.

CENÁRIO 10: Jair Bolsonaro 28,5%, João Doria 23,9%, Branco/Nulo: 39,2%, Indecisos: 8,4%.

CENÁRIO 11: Marina Silva 30,5%, João Doria 22,7%, Branco/Nulo: 39,9%, Indecisos: 6,9%.

CENÁRIO 12: Marina Silva 29,2%, Jair Bolsonaro 27,9%, Branco/Nulo: 36,7%, Indecisos: 6,2%.
Compartilhe:

Prefeito de Tuntum, Dr. Tema, continua sendo prestigiado pelo Governo Flávio Dino

Evento Palácio Henrique La Roque as 15 horas, desta segunda-feira(18). Programa Caminho da Produção. Distribuição de máquinas niveladoras aos municípios maranhenses com a presença do Presidente da FAMEM, Dr. Tema.

O  Governador Flávio Dino tem reconhecido,  a cada dia,  a importância política do Prefeito de Tuntum, Dr. Tema Tema, no Maranhão como municipalista e como líder de grande densidade eleitoral no Estado.
Não é a toa que a cidade de Tuntum, na região central do Maranhão,  tem tido por parte do Governador Flávio Dino através de obras estruturantes no município a dedicação devida e reconhecida do mandatário maranhense, atendendo aos pleitos do Prefeito Tema e do Deputado Humberto Coutinho. Tuntum não pode reclamar do atual Governo do Maranhão pela série de obras inauguradas e outras que já estão a caminho, diga-se de passagem.
Outro reconhecimento ao Prefeito Tema vinda do Governador Flávio Dino diz respeito as parcerias institucionais com a FAMEM, a poderosa federação que reúne os prefeitos maranhenses, a qual o gestor tuntunense é mais uma vez seu presidente. Com Cleomar Tema a frente da FAMEM desde o início do ano, a organização municipalista voltou a ter visibilidade política e  moderação entre os municípios e os poderes da república, inclusive  o Governo atual do Maranhão. Dr. Tema vem conseguindo moderar as demandas municipais com os diversos projetos desenvolvimentistas do atual governador e isso tem se tornado visível ao longo destes meses.
Pela capacidade de moderação entre os municípios maranhenses e o Governo Flávio Dino e suas ações, o Presidente da FAMEM e Prefeito Municipal de Tuntum, Dr. Cleomar Tema, tem recebido do Governador Flávio Dino o reconhecimento e a importância de líder, também, sendo convidado a participar dos principais atos  da  agenda oficial do Governo do Maranhão nos últimos meses.

Compartilhe:

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

PSB REFAZ UNIDADE COM SAÍDA DO SENADOR “ASA”

Luciano Leitoa e Bira do Pindaré continuam firmes no comando do PSB maranhense
Blog do Jorge Vieira - O PSB respira ares de paz e tranquilidade após a confirmação de que o senador Roberto Rocha, o popular “Asa de Avião”, acertou seu ingresso no PSDB, após ser expulso pela militância local e destituído da liderança do partido no Senado.

Dirigentes dos diretórios municipal de São Luís e estadual voltaram a falar a mesma linguagem e reafirmarem o compromisso em torno da reeleição do governador Flávio Dino. O deputado Bira do Pindaré e o prefeito de Timon, Luciano Leitoa, saíram ainda mais fortalecidos do enfrentamento com o senador.

Luciano e Bira travaram o bom combate e conseguiram um fato inédito na história política do país: Expulsar um senador num Congresso em que todos os partidos estão atrás de filiar parlamentares para aumentar suas representações no Senado e na Câmara Federal, independente da coloração ideológica.

Roberto Rocha apostou que derrotaria os dirigentes locais pelo fato de possuir mandato de senador, mas saiu bem menor do embate pelo controle do PSB. Ficará menor ainda quando acontecer a revoada de tucanos tão logo ele seja oficializado como pré-candidato ao governo pelo PSDB, partido comandado no Maranhão pelo atual vice-governador Carlos Brandão.

Com o Partido Socialista pacificado, os políticos que ameaçavam abandonar a legenda, se o comando fosse entregue a Rocha, voltaram respirar aliviados e não veem mais necessidade de trocar de legenda, uma vez que o pomo da discórdia já não existe mais.
Compartilhe:

Conspiração é o crime maior do Temer

José Cruz/Agência Brasil

Por Jeferson Miola/br 247

A corrupção é um crime gravíssimo, que deve ser severamente punido. Mas é a conspiração, e não a corrupção, o maior e mais relevante crime cometido por Michel Temer. Inclusive porque com a conspirata, Temer montou o "governo de ladrões" [cleptocracia, em grego] para expandir e aprofundar o assalto aos cofres públicos pela oligarquia golpista.

Janot e o STF centram fogo na acusação ao Temer pelos crimes de corrupção, e não pelo crime de conspiração. Isso é entendível: a procuradoria da república e a suprema corte, com suas ações, omissões e silêncios, foram parte ativa e cúmplices do golpe que derrubou a Presidente Dilma.

Ficou claro que Lúcio Funaro não é somente o principal comparsa do Eduardo Cunha na roubalheira praticada pelo PMDB. Na realidade, ele tinha um posto mais elevado. Funaro era o elo operacional da organização criminosa do Temer, Cunha, Geddel, Padilha, Moreira Franco, Henrique Alves, Rocha Loures [e outros] que foi montada para assaltar o Estado brasileiro.

Eles atacavam em todos os ramos, atividades e oportunidades: portos, aeroportos, empréstimos da CEF, financiamentos do BNDES, obras públicas, licitações, medidas provisórias, Petrobrás, Eletrobrás, Furnas etc. Onde havia possibilidade de negócios escusos, lá estava a quadrilha em ação.

A delação premiada do Lúcio Funaro desvendou o modo de funcionamento da quadrilha e as tarefas e atribuições de cada bandido nela. Na delação, Funaro ajudou a esclarecer os nexos entre [i] a mala de R$ 500 mil de propina carregada pelo Rodrigo Rocha Loures, [ii] o recebimento de R$ 1 milhão pelo Padilha no escritório do "mula" José Yunes [amigo de meio século de Temer], e [iii] os R$ 51 milhões armazenados num apartamento na Bahia pelo "amigo fraterno" [tratamento dispensado por Geddel a Temer no pedido de demissão do ministério por tráfico de influência] Geddel Vieira Lima.

A revelação principal e mais comprometedora do Funaro, porém, não é a respeito das dezenas de milhões roubados pela quadrilha, mas o esclarecimento sobre a atuação do Michel Temer na coordenação política e intelectual, junto com Cunha et caterva, da conspiração que derrubou a Presidente Dilma.

O empresário corruptor Joesley Batista, dono do grupo JBS e de uma imensa bancada de deputados e senadores, já havia esclarecido que financiou a compra de vários deputados e a eleição de Cunha à presidência da câmara dos deputados para viabilizar o golpe contra o mandato legítimo de Dilma.

Funaro não só confirma esta declaração de Joesley como esclarece que, "na época do impeachment de Dilma Rousseff, eles [Cunha e Temer] confabulavam diariamente, tramando a aprovação do impeachment e, conseqüentemente, a assunção de Temer como presidente".

Muito antes do que se imaginava, a verdade veio à tona. Temer tramou com seus comparsas do PMDB, PSDB, DEM, PTB, PPS, PR [e outros] o atentado contra a ordem política e social do país.

Ele armou o golpe de Estado que derrubou uma governante eleita legitimamente por 54.501.318 brasileiros e brasileiras para, desse modo, aplicar a mais antipopular e antinacional agenda de destruição do Brasil e de entrega da soberania nacional.

Corrupção, associação criminosa e formação de quadrilha são crimes menores em comparação ao atentado à democracia e ao Estado de Direito. Temer e sua malta só conseguiram perpetrar o assalto ao erário, a dissolução e a entrega da Nação assumindo ilegitimamente e ilegalmente o comando do país.

Temer e sua malta golpista não serão julgados neste período sob a vigência do regime de exceção e de golpe de Estado, mas o julgamento desses canalhas é uma demanda prioritária quando o país se reencontrar com a democracia e restaurar o Estado de Direito. Não será aceita uma nova Lei da Anistia que perdoe os conspiradores – como a de 1979, que perdoou os torturadores.

Desta vez, ao contrário do benefício obtido pelos ditadores que ficaram impunes com a anistia, na democracia restaurada estes canalhas implicados no golpe – no judiciário, executivo, legislativo e na mídia – deverão ser julgados e punidos com a máxima severidade, nos termos da lei [a seguir].

Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940:

TÍTULO XII

DOS CRIMES CONTRA O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO

CAPÍTULO I

DOS CRIMES CONTRA A SOBERANIA NACIONAL

Golpe de Estado

Art. 366. Tentar, o funcionário público civil ou militar, depor o governo constituído ou impedir o funcionamento das instituições constitucionais:

Pena – reclusão, de quatro a doze anos.

Conspiração

Art. 367. Associarem-se, duas ou mais pessoas, para a prática de insurreição ou de golpe de estado:

Pena – reclusão, de um a cinco anos.
Compartilhe:

1º Dia de Campo será realizado em Tuntum neste sábado(23)

Duas empresas, a "New Holland Agriculture"  e a "Metropolitana Máquinas", ambas do ramo da implementação tecnológica na agricultura e pecuária estará realizando, no próximo dia 23(sábado), na Chácara Dois Irmãos(Charles Wagner), de 08 às 18h, em Tuntum, o 1º Dia de Campo para agropecuaristas do município.

1º Dia de Campo de Tuntum, neste sábado(23),  terá uma programação vasta coordenada pelas duas empresas promotoras do evento destinada ao público da agricultura e pecuária de todo o município com  palestras de recuperação de pastagens degradadas, integração lavoura pecuária e irrigação, segundo o consultor de vendas da Metropolitana Máquinas,  Mercial Arruda de Balsas.

Na chamada do convite para o 1º Dia de Campo de Tuntum, neste sábado(23), há um apelo para que os agricultores e pecuaristas de Tuntum venham participar do evento na Chácara de Charles Wagner: "Venha viver a experiência e conhecer os benefícios e vantagens da linha de produtos com maior desempenho, tecnologia, baixa manutenção e economia do mercado"  e finaliza a chamada do convite das empresas promotoras do dia de campo na cidade: "Participe desta evolução no campo. Esperamos por você".
Compartilhe:

domingo, 17 de setembro de 2017

ENCONTRO: UNCME-MA REALIZARÁ VII ENCONTRO ESTADUAL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO


A UNCME-MA(União dos Conselhos Municipais de Educação) estará realizando no período de 27 a 29 de Setembro, em São Luís, o VII Encontro Estadual dos Conselhos Municipais do Maranhão com o Tema: "Fortalecimento dos Conselhos Municipais de Educação: Práticas, Desafios e Alternativas".

VII Encontro Estadual dos Conselhos Municipais de Educação do Maranhão(UNCME), este ano será marcado por uma extensa programação(ver abaixo), abrangendo mesa redonda e diversas oficinas com temáticas destinadas ao fortalecimento dos conselhos municipais de educação que se farão presentes a este grande evento de formação  e decisões importantes para estes órgãos de educação munbicipal.

Os Conselhos Municipais de Educação foram criados com anuência da CF/88 e respaldados pela LDB(Lei 9394/96) como órgão de controle social das políticas públicas de educação e auxiliares das SEMED's nos sistemas municipais de educação.

A coordenação estadual da UNCME-MA atual espera contar com a presença de  um grande número de delegados dos mais de 180 conselhos municipais de educação do Maranhão no VII Encontro Estadual dos Conselhos Municipais de Educação que terão, ainda, a responsabilidade de escolher a próxima coordenação estadual da UNCME-MA.

PROGRAMAÇÃO 


VII ENCONTRO ESTADUAL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO DO MARANHÃO
PROGRAMAÇÃO
CRONOGRAMA 27/09/2017 – QUARTA-FEIRA
HORÁRIO
ATIVIDADE
14:00
CREDENCIAMENTO
14:30
APRESENTAÇÃO CULTURAL
15:00
ABERTURA (MESA DE AUTORIDADES)
15:30
MESA REDONDA: “OS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO SOB VÁRIOS OLHARES E PERSPECTIVAS”
PARTICIPANTES: FAMEM, UNDIME, UNCME, CEE, MINISTÉRIO PÚBLICO E CME TUNTUM
16:30
RITOS DO PROCESSO ELEITORAL: LEITURA E APROVAÇÃO DO REGIMENTO E ESCOLHA DA COMISSÃO ELEITORAL
17:00
ENCERRAMENTO

CRONOGRAMA 28/09/2017 – QUINTA-FEIRA
HORÁRIO
ATIVIDADE
08 – 11:00
13 – 16:00
OFICINA 1: “CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO CME”
MINISTRANTES: UNCME MARANHÃO (EMERSON DE ARAÚJO SILVA – CME TUNTUM E JÚLIA BENEDITA SILVA FIGUEIRA – CME BACABEIRA)
08 – 11:00
13 – 16:00
OFICINA 2: “ATOS, REGISTROS E OUTROS DOCUMENTOS OFICIAIS DE REGISTRO DO CME”
MINISTRANTES: CEE (MARIA VITÓRIA BOUÇAS BAHIA SILVA E MARIA DO PERPÉTUO SOCORRO AZEVEDO CARNEIRO)
08 – 11:00
13 – 16:00
OFICINA 3: “ELABORAÇÃO, ANÁLISE E DESPACHO DE PROCESSOS”
MINISTRANTES: CEE (RÉGINA MARIA SILVA GALENO) E CME SÃO LUÍS (MARIA JOSEILDA OLIVEIRA FERNADES FREITAS DESCOVI)
08 – 11:00
13 – 16:00
OFICINA 4: “ATOS REGULATÓRIOS:  CREDENCIAMENTO, RECREDENCIAMENTO, AUTORIZAÇÃO, RECONHECIMENTO E DESATIVAÇÃO DAS UNIDADES DE ENSINO DO SISTEMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO”
MINISTRANTES: CEE (SORAIA RAQUEL ALVES DA SILVA) E CME SÃO LUÍS (HILDA HELENA BASTOS GARCÊZ RIBEIRO)
08 – 11:00
13 – 16:00
OFICINA 5: “CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO FME”
MINISTRANTES: FEE (NARCISA ENES ROCHA) E FME SÃO LUÍS (ÉRIKA MARIA MACHADO FERNANDES)
08 – 11:00
13 – 16:00
OFICINA 6: “ATUAÇÃO DO CME NA AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DOS PLANOS”
MINISTRANTES: SEDUC (JOÃO PAULO MENDES DE LIMA E MARCIA ANDREA DE ARAÚJO PORTO)
16:30
RITOS DO PROCESSO ELEITORAL: INSCRIÇÃO DAS CHAPAS QUE CONCORRERÃO À ELEIÇÃO
17:00
ENCERRAMENTO

CRONOGRAMA 29/09/2017 – SEXTA-FEIRA
HORÁRIO
ATIVIDADE
08:00
MOMENTO UNCME: BALANÇO DAS AÇÕES E PRESTAÇÃO DE CONTAS
09 – 11:00
RITOS DO PROCESSO ELEITORAL: APRESENTAÇÃO DAS CHAPAS E DE SEUS PLANOS DE META; ELEIÇÃO.

Compartilhe:

Diálogos da fé: repressão e tortura: nestes tempos medonhos, que a memória traga esperança

Recomenda-se ao cantor Zezé di Camargo, segundo quem “não vivíamos numa ditadura”, conhecer a história do pentecostal Manoel da                                          Conceição Santos
O pentecostal Manoel da Conceição: brutalmente torturado durante a ditadura

por Magali do Nascimento Cunha (revista Carta Capital) 

A propósito da coluna da semana passada, publicada no dia 7 de setembro, sobre a história de evangélicos que perderam a vida durante a ditadura civil-militar, recebi muitos comentários. Foram elogios pela narrativa, surpresas com o histórico, indagações sobre outros perseguidos, crítica à inclusão de nomes não reconhecidos como evangélicos e condenação dos “neopentecostais” que não aparecem na lista por conta de seu conservadorismo.

Importa destacar que esta memória está contida no Volume II do relatório da Comissão Nacional da Verdade (2014), acessível pela internet. De fato, os chamados “neopentecostais” não poderiam ser mencionados, uma vez que não existiam naquele período. Não na forma como são reconhecidos hoje: presença nas mídias, pregação da prosperidade financeira como sinal da benção de Deus, exorcismo de demônios causadores dos males da vida, ocupação de espaços na política, entre outros.

No tempo da ditadura, os evangélicos se caracterizavam como históricos e pentecostais. Assim como os católicos e outros grupos religiosos dividiam-se entre apoiadores do regime (por adesão ou omissão) e opositores.

É significativo, então, a propósito, destacar que um dos testemunhos mais marcantes de evangélicos brasileiros perseguidos pela ditadura, segundo o relatório da CNV, é o do pentecostal Manoel da Conceição Santos.

Nascido em 1935, no interior do Maranhão, Santos está entre os trabalhadores rurais que sofreram nas mãos dos donos de terras. Tornou-se integrante da Igreja Assembleia de Deus, inspirado pela vida comunitária, a solidariedade e a valorização dos pequenos. Logo se tornou professor da Escola Bíblica Dominical (catequese no contexto evangélico) e auxiliar do pastor.

Também aprendeu com o Movimento de Educação de Base (MEB) sobre o sentido das injustiças que sofria e sobre seus direitos como trabalhador. Por isso, exerceu sua vocação cristã ao fundar o sindicato dos trabalhadores rurais em Pindaré-Mirim. Santos se tornou um grande líder camponês do Maranhão.

Com o golpe civil-militar de 1964 veio a perseguição. Em 1968, policiais chegaram atirando em uma reunião no sindicato e Santos foi ferido na perna direita. Depois de seis dias na prisão, sem tratamento, parte da perna gangrenou e teve de ser amputada.

Sindicalistas e outros militantes levantaram recursos que garantiram o tratamento e a colocação de uma prótese, em São Paulo. Livre, retornou a Pindaré e à causa da justiça. Preso novamente, foi sequestrado por agentes do DOI-CODI e levado para o Rio de Janeiro.

Na “antessala do inferno” do quartel da Tijuca (nome dado pelos próprios agentes), a perna mecânica foi arrancada e ele foi colocado nu na “geladeira”, a solitária, onde era tratado literalmente a pão e água e torturado.

Entre idas e vindas ao hospital para ser mantido vivo, além das práticas convencionais como choque elétrico, pau-de-arara e espancamento, o sindicalista pentecostal foi pendurado ao teto e teve o órgão sexual preso por um prego em cima de uma mesa.

Santos só saiu vivo dali para ser julgado, graças à campanha feita no Brasil e no exterior contra o seu sofrimento. Igrejas católicas e evangélicas da Europa e dos EUA protestaram contra a prisão e o desaparecimento do sindicalista, e enviaram cartas ao general Emílio Médici.

Em 1972, Santos foi condenado e cumpriu três anos de prisão. Quando libertado, foi hospitalizado em São Paulo, com o auxílio dos bispos católicos D. Aloísio Lorscheider e D. Paulo Evaristo Arns e do pastor presbiteriano Jaime Wright. Por causa da tortura, o homem urinava por meio de uma sonda e ficou impotente por anos. Meses depois, a casa onde estava foi invadida por policiais, que o levaram para o DEOPS, onde sofreu novas torturas.

O papa Paulo VI enviou telegrama ao general Ernesto Geisel exigindo a libertação do sindicalista evangélico. No fim de 1975, foi finalmente solto e teve o exílio por salvação. Retornou ao Brasil com a anistia de 1979. Aos 83 anos, continua a dar testemunho de sua vida e de sua fé no Deus da verdade e da justiça que conheceu.

Uma entrevista recente do cantor Zezé di Camargo, que se declara politizado, chamou a atenção. Ele disse a Leda Nagle: “Nós não vivíamos numa ditadura, vivíamos num militarismo vigiado… O Brasil nunca chegou ser uma ditadura daquela de ou você está a favor ou está morto”.

Um retrato dos tempos medonhos que vivemos, difíceis de interpretar. Tempos em que há até mesmo gente que se denomina “de bem” a pedir a volta do regime militar, este mesmo que criou a “antessala do inferno” para Santos e tantos outros.

Desta história de evangélicos no Brasil, diferentemente daquela mostrada pelas mídias gospel em evidência, ecoa a palavra da Bíblia cristã, escrita em tempos medonhos: “Quero trazer à memória o que me pode dar esperança” (Lamentações 3.21).

A memória do compromisso do pentecostal Manoel da Conceição Santos com a justiça e a paz nos anima a esperar com esperança nestes tempos estranhos.
Compartilhe:

Copyright © | Direção: Jornalista Emerson Araújo | Bate Tuntum | Suport/ 99 98271-8514