Pages

quarta-feira, 30 de julho de 2014

17ª CONFRATERNIZAÇÃO DA UMADET


O Departamento de Jovens da Igreja Evangélica Assembléia de Deus  tem a honra de convidar você e sua família para participarem juntamente conosco da 17ª CONFRATERNIZAÇÃO DA UMADET que  acontecerá nos dias 09 e 10 de agosto de 2014 no templo sede da Igreja Assembléia de Deus de Tuntum.

TEMA: "É HORA DE FAZER A DIFERENÇA" baseado no texto bíblico de 2 Timóteo Capítulo 3.

CONTAMOS COM VOCÊ, SUA PRESENÇA É INDISPENSÁVEL.

Flávio Dino: A Verdade vai Vencer

Seminário Vida Total da Igreja - VTI marcou positivamente a V Convenção da Região Centro Sul Maranhense da AICEB em Barra do Corda

O Seminário Vida Total da Igreja - VTI ministrado pelo Pr. Odilon S. Pereira marcou positivamente a V Convenção  da Região Centro Sul Maranhense da AICEB, com o tema Lutando Juntos(Filipense 1.27) ocorrida em Barra do Corda nos dias 24, 25, 26 e 27 do corrente, empolgando pastores e leigos para o trabalho planejado de evangelização tendo como modelo a Igreja Cristã primitiva dentro do contexto atual.
Pr. Odilon S. Pereira no final do seminário,  na manhã do dia 27(domingo), fez uma atividade prática de evangelização, envolvendo um grande número de presentes em torno da Igreja Cristã Evangélica do Bairro Trizidela em Barra do Corda alcançando aproximadamente cem pessoas com a mensagem de salvação através de Cristo  num intervalo de cinquenta minutos.
O Seminário Vida Total da Igreja - VTI em Barra do Corda apresentou um modelo de evangelização com alcance individual que deve ser seguido pelas igrejas locais, disse o palestrante em uma das suas ministrações matutinas.
A  V Convenção da Região Centro Sul Maranhense da AICEB em Barra do Corda ocorrida em Barra do Corda nos dias 24, 25, 26 e 27 do corrente tratou de vários assuntos administrativos  e eclesiásticos  de interesse das Igrejas da regional  com inspiração divina e sem polêmicas.

Outro ponto alto da V Convenção Região  Centro Sul Maranhense da AICEB, neste final de semana, foi a realização de cultos evangelísticos durante a noite em frente a ICE da Trizidela para os delegados, convidados e curiosos com sempre com grande assistência, confirmação de fé e conversões para a glória de Deus.
Convenção da Região Centro Sul Maranhense da AICEB completou, em 2014, dez anos de conclave e foi comemorado no encerramento do culto final, no domingo, com o corte de bolo e diversas homenagens. Um grande momento de adoração a Deus na V Convenção Região  Centro Sul Maranhense da AICEB.

terça-feira, 29 de julho de 2014

Carta a Flávio: “Não quero ser o herói dos amigos que deixei no Maranhão. Quero que eles sejam heróis maranhenses”

julio_site

O universitário maranhense Júlio César Ferreira Silva, 19, enviou uma carta ao candidato Flávio Dino contando por que teve de sair do Estado e o que espera para o futuro. Ele mora atualmente no Rio Grande do Sul. A carta merece ser lida por todos, por isso a compartilhamos aqui com vocês:

Para Flávio Dino 

Olá, me chamo Júlio César Ferreira Silva, tenho 19 anos, nasci no Maranhão e vivi 18 anos nesse estado que amo. E como tantas outras pessoas do nosso estado, a busca da realização de sonhos na atual situação se torna quase impossível. 

Hoje eu sou estudante universitário, curso Engenharia de Telecomunicações na Universidade Federal do Pampa, na cidade de Alegrete, Rio Grande do Sul. 

Hoje o que eu mais quero é ver meu estado primeiramente livrar-se da família Sarney e dos estigmas acumulados durante todos esses anos. Desse coronelismo que só nos trouxe atraso e desilusão. 

Eu não queria que boa parte dos meus colegas estivesse trabalhando em lojinhas, supermercados entre outros; eu queria vê-los cursando uma Universidade, porém não é isso que eu vejo. 

Sou de família humilde, filho de lavradores que moram no povoado São José dos Cocais, localizado na zona rural de Monção– MA. Minha família com muitas dificuldades me mantém aqui. 

Eu torço pra que o Flávio Dino, que acompanho desde a eleição passada, e depois na Embratur, seja aquele que vai dar o passo de mudança completa no Meu Estado. Cansei de ser conhecido como o que nasceu no Estado do Sarney e pelos baixos índices de desenvolvimento socioeconômicos. 

Não quero ser o herói dos meus amigos que deixei no Maranhão, quero que eles realizem seus sonhos e sejam heróis maranhenses. Não quero que tantos jovens como eu sejam esquecidos, como os heróis do passado que foram esquecidos pela educação nas escolas do nosso estado. 

Não falo de mim, mas por todos aqueles que vão pra outros estados tentar um emprego, um melhoria de vida e às vezes, infelizmente, não conseguem. Não quero ver tantos ônibus cheios de pais de famílias e filhos atravessarem o Brasil para ser mão de obra ao serviço de outro estado. São corações cansados de sofrer e passar esse triste legado aos seus filhos, e aos filhos de seus filhos. 

Foi assim ou quase assim durante 50 anos, não quero que seja por mais 50 ou mais 10. Desejo que o próprio Flavio Dino leia essa mensagem. Você tem o meu apoio, a minha admiração e ela tenderá a crescer se o meu Maranhão enfim prosperar. Quero um dia poder conhecê-lo pessoalmente.

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Tuntum no cenário político estadual

Foto: Blog do Lobão/Tuntum
A demonstração de participação popular e apoio político à candidatura de Flávio Dino a Governador  em outubro próximo pela grande maioria da população de Tuntum demonstrou, neste último sábado(26), o compromisso dos eleitores e das suas principais e mais importantes lideranças políticas na mudança real do Estado do Maranhão a partir de Janeiro de 2015.

A carreata/caminhada ocorrida em Tuntum em torno da candidatura de Flávio Dino e da frente democrática "O Maranhão é de Todos" comandada pelo Prefeito Cleomar Tema e aliados, neste último sábado(26),  não só tem um valor simbólico pela presença massiva do povo e nem pela extensão quilométrica de carros, motos e bicicletas compondo a bela onda vermelha que se instaurou no Maranhão nos últimos dias, ela vai além disso, ela consolida, acima de tudo,  a força da liderança do mandatário tuntunense  mais uma vez e o alça para ser, em breve tempo,  o porta-voz mais convincente do governo dinista nos próximos anos na região central do Estado.

Flávio Dino, Carlos Brandão, Roberto Rocha, Zé Reinaldo Tavares, Humberto Coutinho e Cleomar Tema terão uma  vitória eleitoral esmagadora  contra a oligarquia sarney e seu candidato no Centro Sul Maranhense por conta do abandono administrativo e perseguições de toda ordem na região durante o Governo de Roseana Sarney nos últimos anos. 

É, neste cenário de abandono,  que a força popular demonstrada, neste sábado(26), em Tuntum, Dom Pedro, Presidente Dutra e São Domingos em torno de Flávio Dino Governador que se percebeu m  a plena certeza na derrota de um modelo político sem fulcro em todo o Estado do Maranhão para a alegria e esperança de todos os maranhenses. À vitoria, Flávio Dino - 65!

sábado, 26 de julho de 2014

Reflexão Bíblica: CHARLES SPURGEON COSTUMAVA CONTAR ESTA HISTÓRIA



Um americano disse a um amigo:

- Eu desejaria que você viesse ao meu pomar e provasse as minhas maçãs.

Ele o convidou mais ou menos umas doze vezes, mas o amigo não foi, e finalmente o cultivador lhe disse:

- eu suponho que você pensa que minhas maçãs não prestam e por isso não quer vir prová-las.

Ora, para dizer a verdade, disse o amigo, “eu já provei”.

“Ao passar pela estrada, apanhei uma que havia caído pela cerca e nunca em minha vida provei nada tão ácido. Eu não tenho vontade de comer mais de suas frutas”.

Oh! respondeu o proprietário do pomar. Eu pensei que fosse isso mesmo. Estas maçãs que ficam ao redor do pomar são plantadas especialmente para os moleques. Eu andei 50 milhas para escolher as mais “azedas” e plantei-as em redor do pomar, de sorte que os meninos desistam de roubá-las por não valer a pena. Mas, se você quiser entrar, você verá que bem lá dentro existe uma qualidade muito diferente e são doces como mel.

Moral da história:

Aqueles que julgam a Igreja pelos seus piores membros (os que se acham pendurados do lado de fora) esses, é quase certo que farão o mesmo juízo daqueles que se encontram do lado de dentro.

Pense nisso!

Renato Vargens

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Reflexão Bíblica: 10 MOTIVOS DE ORAÇÃO PELO PASTOR

Por Renato Vargens

Certa vez ao ser indagado sobre a eficácia do seu ministério, Spurgeon respondeu ao seu interlocutor dizendo: "Meu povo ora por mim."

Pois é, e você costuma orar pelo seu pastor? Dedica tempo em intercessão pelo ministério dele? 

Lamentavelmente inúmeros irmãos em Cristo, não dedicam um minuto sequer intercedendo pelo seu líder espiritual. Ultimamente eu tenho ouvido vários relatos de pastores que desistiram ou abandonarm o pastorado devido a pressão relativa ao ministério.

Uma pesquisa organizada pelo Instituto Francis Schaeffer,  revelou que, cerca de 1,5 mil pastores têm abandonado seus ministérios todos os meses por conta de desvios morais, esgotamento espiritual ou algum tipo de desavença na igreja.  Veja bem, não se trata de pessoas que abandonam a fé cristã, mas de líderes que deixam o púlpito por não suportarem o as exigências da função. 

Isto posto gostaria de sugerir 10 motivos de oração pelo seu pastor:

1. Ore por ele, peça ao Senhor que lhe conceda forças para enfrentar as demandas do ministério pastoral.
2. Ore pela saúde dele.
3. Ore pela esposa do pastor. Esposas de pastores geralmente são cobradas além de sua capacidade de suportar cobranças.
4. Ore pelos filhos dos pastores. Muitos filhos de pastores sofrem uma pressão por parte da igreja absolutamente desumana.
5. Ore pelas emoções do pastor. Peça a Deus que lhe conceda equilibrio emocional diante das lutas e batalhas travadas no ministério.
6. Peça ao Todo-poderoso que conceda ao pastor sabedoria para conduzir a igreja nos caminhos do Senhor.
7. Rogue ao Eterno que livre o pastor das tentações provenientes do ministério guardando-o do mal.
8. Ore  para que o pastor ame a Deus acima de todas as coisas pregando as Escrituras com fidelidade.
9. Ore para que o pastor seja fiel a Deus, a sua família, as Escrituras e a igreja.
10. Ore para que o pastor tenha longanimidade, paciência e perseverança diante dos obstáculos que comumente aparecem na caminhada.

Vamos orar?

Renato Vargens

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Reflexão Bíblica: RAZÕES PORQUE SOU CONTRA A FICAÇÃO E PEGAÇÃO

Renato Vargens

A superficialidade das relações entre rapazes e moças neste início de século é indiscutível. A durabilidade dos namoros ao contrário do que acontecia antigamente é inexistente. Em nome da liberdade, adolescentes e jovens tem vivenciado nos últimos anos relacionamentos afetivos cujo tempo de duração varia entre um dia e três meses.

O comportamento em questão se faz presente em todas as camadas da sociedade. Na verdade, os que desenvolvem este tipo de conduta, manifestam explicitamente uma espécie de fast-food emocional, onde namoros e casamentos são iniciados e terminados de forma rápida. A conseqüência disto é a imediata proliferação de relacionamentos promíscuos, onde ninguém pertence a ninguém, o que contribui significativamente para o adoecimento de nossos jovens e adolescentes.

Dados do Ministério da Saúde nos informam que cerca de 1 milhão de adolescentes ficaram grávidas em 1998, e que 1 em cada 3 meninas de 19 anos já é mãe ou está grávida de seu 1º filho.

Há pouco estava conversando com o coordenador de projetos sociais da minha igreja e ele me disse numa comunidade próxima, o número de adolescentes grávidas com 13 anos de idade é assustador.

Pois é, se não bastasse essa tragédia em virtude das relações sexuais descompromissadas estima-se que existem 333 milhões de novos casos de doenças sexualmente transmitidas (DST) por ano. No mundo inteiro, a incidência das DST nas mulheres é de cinco vezes mais do que no caso dos homens. Estatísticas também apontam que as doenças sexualmente transmissíveis são mais freqüentes nos jovens com idades compreendidas entre os 15 e os 25 anos. Exatamente 50% das infecções por HIV ocorrem em pessoas deste grupo etário; muitas delas contraíram a doença antes de terem vinte anos.

Tudo bem, talvez você esteja dizendo consigo mesmo. Isso é fato, mas se eu tomar cuidado não tem problema,não é verdade? Alias, qual o problema de eu ter o meu peguete?

Problema? Todos! Deixe-me explicar porque:

Em um mundo egoísta e cada vez mais hedonista como o nosso, tornou-se absolutamente comum vislumbrarmos nas relações interpessoais a instrumentalização da vida, onde boa parte das pessoas no desejo de terem os seus sonhos e devaneios realizados, manipulam outras pessoas na vontade de experimentarem a tão sonhada satisfação pessoal. Alias, essa tal busca pela satisfação pessoal, têm feito com que muitos negociem princípios éticos e morais, no afã de concretizarem suas sórdidas expectativas. Infelizmente, em nome do sonho, não são poucos aqueles que têm tomado posse do famoso bordão popular: “fazemos qualquer negócio”. A conseqüência direta disso é a coisificação do ser humano, onde pessoas tornam-se objetos descartáveis, prontas a serem jogadas no lixo quando por algum motivo não prestam mais.

Lamentavelmente numa sociedade onde os valores se relativizaram, a conduta dos jovens cristãos em quase nada tem se diferenciado do comportamento dos não cristãos. Na verdade, ouso afirmar que existe um número impressionante de crentes que movido por rompantes irresponsáveis, se enveredam em relacionamentos descompromissados.

Assusta-me o fato de que inúmeras pessoas movidas por uma pseudoteologia descartam relações usando de pressupostos humanistas, aos quais não existe o menor fundamento bíblico. Tais pessoas advogam que a “química” é a razão essencial para que se esteja junto com alguém. Para estes, o que importa é sentir prazer, além é claro de satisfação pessoal.

Caro leitor, como já havia escrito em outro artigo, não sou contra as relações de namoro que um jovem possa desenvolver com uma moça. Antes pelo contrário, acredito que relações afetivas entre um rapaz e sua namorada contribuem significativamente para o desenvolvimento de uma auto-estima saudável. Sou contra sim a banalização das relações, sou contra as “ficações” e "pegações", contra os namoros fast-food, contra o sexo fora do casamento, os quais contribuem para o adoecimento da alma de nossos adolescentes e jovens.

Salomão em sua grande sabedoria afirmou: “Existe um tempo determinado para todas as coisas na vida”. Sim, isso mesmo, na vida existe momentos pra tudo! Há tempo de plantar e tempo de colher, há tempo para abraçar e deixar de abraçar, em outras palavras isso significa dizer que existe um tempo determinado por Deus para desfrutarmos de carinhos, afagos, abraços e beijos de alguém. Em contra-partida, isso significa dizer também que existem momentos na vida, que somos chamados a um momento de reclusão onde outros valores necessários a uma existência plenificada nos são trabalhados. Diante disto tenho plena convicção que namoros rápidos onde o sexo é focado é absolutamente prejudicial, proporcionando aos adolescentes e jovens consequências das mais terríveis possíveis.

Pense Nisso!

Renato Vargens

Propaganda eleitoral poderá ter aviso sobre candidatos 'ficha suja'

Redação Bonde com Agência Senado

As restrições impostas às candidaturas a cargos eletivos pela Lei da Ficha Limpa podem se tornar mais abrangentes. O senador Cristovam Buarque (PDT-DF) apresentou, na semana passada, projeto que exige a inclusão de aviso na propaganda do candidato incurso em situação de inelegibilidade após o momento de formalização do registro de sua candidatura. 

O PLS 223/2014 aguarda recebimento de emendas na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), onde tramita em caráter terminativo. 

Pela proposta, todas as peças usadas na propaganda eleitoral dos candidatos considerados inelegíveis após o registro da candidatura deverão conter, de maneira perceptível para o eleitor, os seguintes dizeres: "Este candidato foi incurso na Lei Complementar 64/1990 e considerado ficha suja". 
A Lei 64/1990 trata de casos de inelegibilidade, prazos de recursos e outros assuntos relacionados à eleição. 

Lacuna 

De acordo com Cristovam, a Lei das Eleições (Lei 9.504/1997) determina que sejam levantadas as condições de elegibilidade e as causas de inelegibilidade dos candidatos no momento da formalização do pedido de registro de suas candidaturas. No entanto, a lei é omissa na previsão do candidato que é posto em situação de inelegibilidade após o registro. Nesse caso, argumenta o senador, a proteção contra candidaturas que põem em risco o princípio da moralidade pública é sacrificada. 

O autor acrescenta que, já nestas eleições, é possível ver candidatos pedindo votos embora tenham condenação por órgão judicial colegiado, o que os tornaria inelegíveis. Segundo Cristovam, a aplicação da lei produz, nesse caso, uma situação esdrúxula: o candidato, embora inelegível, pode concorrer e até vir a ser eleito, enquanto não há um pronunciamento definitivo da Justiça sobre a sua condição. 

A ideia do projeto é "minorar os efeitos dessa lacuna legal", exigindo dos candidatos nessa situação que esclareçam o eleitor a respeito de sua vulnerabilidade legal. Para tanto, todas as peças de sua propaganda, como cartazes, adesivos, panfletos e inserções no rádio e na televisão, deverão conter a informação, legível e audível, de sua situação de inelegibilidade em decorrência do disposto na Lei da Ficha Limpa.

Carreata em Tuntum - Compareça!!!


Israel repudia crítica do Brasil sobre bombardeios na faixa de Gaza


Da Folha de S. Paulo

O governo israelense respondeu, nesta quinta-feira (24), com repúdio ao gesto diplomático realizado pelo Brasil no dia anterior –quando convocara seu embaixador em Tel Aviv, Henrique Pinto, para consultas sobre a morte de civis na faixa de Gaza.

À Folha a chancelaria de Israel afirmou oficialmente que "o Brasil está escolhendo ser parte do problema, em vez de integrar a solução". "Seu comportamento nesta questão ilustra a razão por que esse gigante econômico e cultural permanece politicamente irrelevante."

O gesto foi recebido, porém, com loas na faixa de Gaza. Palestinos se aproximavam da reportagem da Folha para agradecer-lhe.

"Obrigado por convocar seu embaixador", diz Tawfiq Abu Jamaa, em Khan Yunis. "O Brasil é melhor do que os países árabes, como o Egito, que não fazem nada", diz.

Para Sabri Abu Jamaa, "a população civil, em Gaza, não precisamos de recursos. Precisamos de palavras de apoio, como as brasileiras".

O governo brasileiro havia afirmado, na quarta-feira (23), considerar "inaceitável" o "uso desproporcional da força". Israel tem bombardeado a faixa de Gaza em uma operação militar há mais de duas semanas, com mais de 700 mortos, a maioria deles considerados civis.

A nota brasileira não cita, porém, os ataques da facção palestina Hamas, que já lançou mais de 2.000 foguetes contra o território israelense, levando à suspensão temporária de voos chegando a Israel ou partindo do país. Três civis e 32 soldados já foram mortos.

O Itamaraty, além de convocar de volta a Brasília o embaixador Pinto, chamou o embaixador de Israel no Brasil, Rafael Eldad, para protestar. Os gestos são vistos pela comunidade diplomática como sinais de repressão.

O descontentamento expresso pela chancelaria brasileira veio na sequência de uma reunião de emergência do Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra, onde foi aprovada uma investigação da ação israelense, com o apoio do Brasil.

Dissidentes do PT no Maranhão declaram apoio a candidato do PC do B


Folhapress

O apoio foi oficializado na noite desta quarta-feira (23), em São Luís, durante a inauguração do comitê chamado “Dilma e Flávio”.

Nacionalmente, o PC do B apoia a reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT), mas no Maranhão o PT está coligado com o candidato indicado pela família Sarney, Lobão Filho (PMDB).

Parte do diretório local do PT do Maranhão defendia o apoio formal à candidatura de Dino, mas por pressão do PT nacional, aliado do senador José Sarney (PMDB), o partido ficou do lado do peemedebista.

Entre os participantes do ato desta quarta estavam o vice-presidente estadual do PT, Augusto Lobato, o ex-prefeito de Imperatriz, Jomar Fernandes (PT), e o próprio candidato do PC do B.

“Nós somos a resistência petista, a parte da militância que não se coligou com o PMDB do Sarney, do Lobão”, disse Fernandes. “Eu sou militante histórico do PT e nunca concordei com essa aliança com a oligarquia Sarney, e toda a resistência petista não concorda.”

Dino e os petistas dissidentes afirmam que o comitê informal “Dilma e Flávio” não fere a lei, uma vez que PT e PC do B estão coligados nacionalmente.

“O meu partido, PC do B, apoia a Dilma nacionalmente. A lei eleitoral garante expressamente que, como meu partido está coligando nacionalmente, no Estado ele tem direito de fazer campanha”, afirma Dino.

Entretanto, conforme mostrou reportagem da Folha, políticos, especialistas e até ministros do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) divergem sobre o tema.

Defensor da aliança com o PMDB, na qual é candidato a suplente de senador, o presidente do PT-MA, Raimundo Monteiro, afirma que sua coligação contestará na Justiça Eleitoral o apoio de parte dos petistas à candidatura de Dino.

“O que nós podemos aceitar é a campanha para a Dilma, agora a campanha para o Dino é complicado”, disse Monteiro à Folha.

Entre os partidos coligados com Dino estão ainda o PSDB e o PSB, dos presidenciáveis Aécio Neves e Eduardo Campos, adversários de Dilma.

Questionado se a petista também subirá em seu palanque se for em campanha ao Maranhão, Dino evitou se responder: “Estou curioso também, vamos ver”.

'Vou morrer, mas meus personagens ficarão', disse Suassuna em última aula

Em sua última aula-espetáculo, na sexta-feira (18), o escritor, poeta e dramaturgo paraibano Ariano Suassuna, 87, falou sobre sua morte, tema do qual "fugia", segundo a amiga Leda Alves, 83, atriz e secretária de Cultura do Recife.

Essa última aula aconteceu na cidade de Garanhuns, no agreste de Pernambuco, e o escritor terminou a apresentação comentando a morte, que chamava de "Caetana".

Uol

Agenda


quarta-feira, 23 de julho de 2014

A caneta tomou o lugar da borracha na repressão

Os excessos do Judiciário e da Polícia Civil indignam menos que os cassetetes e as balas da Polícia Militar, mas asfixiam os militantes que buscam mudanças.
Agência Brasil
Protesto contra as prisões no Rio de Janeiro

Durante uma assembleia do comitê popular da Copa em Belo Horizonte, militantes pediam que ninguém falasse nada “comprometedor” em público. “Pessoal, vamos manter uma paranoia saudável e segura. Não falem muito, não digam nada que possa incriminar ninguém. E não confiem em quem está sentado ao seu lado”, dizia um deles no início daquela reunião em junho no centro da cidade.

Cenas como esta, onde militantes estão apreensivos e preocupados ao discutir política, têm se tornado cada vez mais frequentes. E este medo de quem se organiza é consequência do que aconteceu no último ano: a caneta dos burocratas tomou cada vez mais o lugar da borracha das balas e dos cassetetes na repressão a manifestações.

Em junho do ano passado, as imagens de jornalistas feridos e manifestantes presos sem motivo levaram muitos a se indignar com as ações da Polícia Militar. A imprensa e parte da população percebiam o óbvio: as forças policiais agem de maneira arbitrária e excessiva. Apesar da indignação inicial, a repressão continuou ao longo dos últimos meses com cada vez menos repercussão, o que foi escancarado mais uma vez no cerco da polícia aos manifestantes no Rio de Janeiro no dia da final da Copa do Mundo.

A mudança de foco da repressão, da caneta para a borracha, aconteceu aos poucos. No ano passado, moradores em situação de rua foram os únicos a continuar presos depois das manifestações de junho. Em São Paulo, Josenilda da Silva Santos ficou quatro meses detida por pegar uma televisão no meio da rua após uma loja ser depredada. No Rio de Janeiro, o catador Rafael Braga foi condenado a cinco anos de prisão por carregar uma garrafa de Pinho Sol.

Em outubro do ano passado, o “inquérito dos black blocs” em São Paulo trouxe outra novidade: a tentativa de enquadrar militantes no crime de associação criminosa. Investigações como essa se espalharam pelo país desde então. Em Curitiba, por exemplo, manifestantes foram enquadrados na lei de segurança nacional, um resquício da ditadura.

As prisões de militantes se intensificaram no último mês. O técnico de laboratório Fábio Hideki, um militante de histórico pacifista, já amarga quase um mês na prisão sem nenhum julgamento.

O pedido de prisão de 26 militantes no Rio de Janeiro escancarou esta situação. Entre os seus alvos, está uma professora da Uerj, uma advogada de manifestantes e uma jornalista da Empresa Brasileira de Comunicação. A Polícia Civil os enquadrou no crime de formação de quadrilha armada em um processo opaco. Os advogados dos presos não tiveram acesso à investigação, ao contrário dos veículos da Rede Globo que veicularam trechos dela na última terça-feira 22.

O inquérito de duas mil páginas virou um processo em um intervalo de duas horas, e agora as prisões deve continuar por tempo indeterminado. A forma como este processo aconteceu incomodou até parte da Justiça. O desembargador Siro Darlan questionou o delegado que não deu acesso à documentação relativa ao inquérito.

Este movimento não foi uma exclusividade da Copa. No último mês, sobrou para quem se mobiliza por outros causas em diversos lugares do país. Militantes do Movimento dos Atingidos por Barragens foram intimados a depor devido a mobilizações contra a Norte Energia, consórcio responsável pela construção da usina de Belo Monte no interior do Pará. Em Marabá, no mesmo Estado, um líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra foi preso, acusado de roubar um gado do grupo Santa Bárbara, controlado por Daniel Dantas.

Todas essas investigações asfixiam os militantes. Na rua e em reuniões, o medo de um processo é maior do que o sentido diante da Tropa de Choque. Acompanhando mobilizações de movimentos sociais, presenciei diversos exemplos disso nos últimos meses.

Em São Paulo, uma militante precisava conversar sobre uma ação do seu movimento. Ela entregou seu celular, mesmo desligado, a uma pessoa que ficou afastada enquanto ela conversava. Celulares grampeados, explicou ela, podem captar informações mesmo quando desligados.

O mundo virtual é onde este medo fica mais escancarado. O Facebook deixou de ser um meio de conversas com militantes. Telefonemas só servem para marcar um lugar para conversar. Serviços de e-mail alternativos, criptografados ou não, estão sendo usados constantemente. O programa de conversa instantânea Whatsapp também dá lugar, aos poucos, a um serviço criptografado.

A postura de alguns militantes, que até o ano passado era considerada exagerada, virou a regra entre os militantes brasileiros. Contra os policiais nas ruas, bastava a eles a coragem. Diante dos grampos e das intimações na polícia, restou a “saudável e segura paranoia”. Com o medo alastrado, a própria Justiça ataca diretamente o direito à manifestação do pensamento presente na Constituição.