Pages

quarta-feira, 23 de julho de 2014

A caneta tomou o lugar da borracha na repressão

Os excessos do Judiciário e da Polícia Civil indignam menos que os cassetetes e as balas da Polícia Militar, mas asfixiam os militantes que buscam mudanças.
Agência Brasil
Protesto contra as prisões no Rio de Janeiro

Durante uma assembleia do comitê popular da Copa em Belo Horizonte, militantes pediam que ninguém falasse nada “comprometedor” em público. “Pessoal, vamos manter uma paranoia saudável e segura. Não falem muito, não digam nada que possa incriminar ninguém. E não confiem em quem está sentado ao seu lado”, dizia um deles no início daquela reunião em junho no centro da cidade.

Cenas como esta, onde militantes estão apreensivos e preocupados ao discutir política, têm se tornado cada vez mais frequentes. E este medo de quem se organiza é consequência do que aconteceu no último ano: a caneta dos burocratas tomou cada vez mais o lugar da borracha das balas e dos cassetetes na repressão a manifestações.

Em junho do ano passado, as imagens de jornalistas feridos e manifestantes presos sem motivo levaram muitos a se indignar com as ações da Polícia Militar. A imprensa e parte da população percebiam o óbvio: as forças policiais agem de maneira arbitrária e excessiva. Apesar da indignação inicial, a repressão continuou ao longo dos últimos meses com cada vez menos repercussão, o que foi escancarado mais uma vez no cerco da polícia aos manifestantes no Rio de Janeiro no dia da final da Copa do Mundo.

A mudança de foco da repressão, da caneta para a borracha, aconteceu aos poucos. No ano passado, moradores em situação de rua foram os únicos a continuar presos depois das manifestações de junho. Em São Paulo, Josenilda da Silva Santos ficou quatro meses detida por pegar uma televisão no meio da rua após uma loja ser depredada. No Rio de Janeiro, o catador Rafael Braga foi condenado a cinco anos de prisão por carregar uma garrafa de Pinho Sol.

Em outubro do ano passado, o “inquérito dos black blocs” em São Paulo trouxe outra novidade: a tentativa de enquadrar militantes no crime de associação criminosa. Investigações como essa se espalharam pelo país desde então. Em Curitiba, por exemplo, manifestantes foram enquadrados na lei de segurança nacional, um resquício da ditadura.

As prisões de militantes se intensificaram no último mês. O técnico de laboratório Fábio Hideki, um militante de histórico pacifista, já amarga quase um mês na prisão sem nenhum julgamento.

O pedido de prisão de 26 militantes no Rio de Janeiro escancarou esta situação. Entre os seus alvos, está uma professora da Uerj, uma advogada de manifestantes e uma jornalista da Empresa Brasileira de Comunicação. A Polícia Civil os enquadrou no crime de formação de quadrilha armada em um processo opaco. Os advogados dos presos não tiveram acesso à investigação, ao contrário dos veículos da Rede Globo que veicularam trechos dela na última terça-feira 22.

O inquérito de duas mil páginas virou um processo em um intervalo de duas horas, e agora as prisões deve continuar por tempo indeterminado. A forma como este processo aconteceu incomodou até parte da Justiça. O desembargador Siro Darlan questionou o delegado que não deu acesso à documentação relativa ao inquérito.

Este movimento não foi uma exclusividade da Copa. No último mês, sobrou para quem se mobiliza por outros causas em diversos lugares do país. Militantes do Movimento dos Atingidos por Barragens foram intimados a depor devido a mobilizações contra a Norte Energia, consórcio responsável pela construção da usina de Belo Monte no interior do Pará. Em Marabá, no mesmo Estado, um líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra foi preso, acusado de roubar um gado do grupo Santa Bárbara, controlado por Daniel Dantas.

Todas essas investigações asfixiam os militantes. Na rua e em reuniões, o medo de um processo é maior do que o sentido diante da Tropa de Choque. Acompanhando mobilizações de movimentos sociais, presenciei diversos exemplos disso nos últimos meses.

Em São Paulo, uma militante precisava conversar sobre uma ação do seu movimento. Ela entregou seu celular, mesmo desligado, a uma pessoa que ficou afastada enquanto ela conversava. Celulares grampeados, explicou ela, podem captar informações mesmo quando desligados.

O mundo virtual é onde este medo fica mais escancarado. O Facebook deixou de ser um meio de conversas com militantes. Telefonemas só servem para marcar um lugar para conversar. Serviços de e-mail alternativos, criptografados ou não, estão sendo usados constantemente. O programa de conversa instantânea Whatsapp também dá lugar, aos poucos, a um serviço criptografado.

A postura de alguns militantes, que até o ano passado era considerada exagerada, virou a regra entre os militantes brasileiros. Contra os policiais nas ruas, bastava a eles a coragem. Diante dos grampos e das intimações na polícia, restou a “saudável e segura paranoia”. Com o medo alastrado, a própria Justiça ataca diretamente o direito à manifestação do pensamento presente na Constituição.

Reflexão Bíblica: NÃO É VOCÊ, MAS O QUE DEUS PODE FAZER ATRAVÉS DE VOCÊ




"Tendo por certo isto mesmo, que aquele que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará até ao dia de Jesus Cristo..." (Filipenses 1:6)

Amelia é um artista. Quando ela tinha seis anos, seus pais alugaram um stand para ela em uma feira de artesanato. Ela se sentou, com as pernas balançando para fora de uma cadeira dobrável, enquanto as pessoas falavam sobre aquela menina bonita e seus lindos quadros. Quando chegou aos nove anos, as pessoas começaram a pendurar seus trabalhos em sofisticadas galerias de arte.

Então, quando Amelia completou doze anos e se formou no grupo de escola secundária de sua igreja, ela foi uma escolha óbvia para ajudar a fazer cartazes para o retiro de Primavera do grupo.

Que desastre.

Enquanto todo mundo se perguntava sobre onde colocar o material no cartaz e que marcadores coloridos usar, Amelia berrava ordens sobre composição, tons e matizes. Em vez de ver o propósito dos cartazes, ela viu uma chance de mostrar suas habilidades.

Fale sobre isso: Como Amelia poderia ter usado melhor seus dons, de uma forma que ajudasse as pessoas e agradasse a Deus?

Deus não vai dizer: "Não use os seus talentos." Afinal de contas, ele é quem os colocou lá. Mas quando deixamos que o Espírito para nos dê poder e dizemos a Deus que estamos dispostos a segui-lo para onde Ele queira, ele nos leva a servi-lo de maneiras que nunca esperamos.

Deus pode querer que O sirvamos em uma área onde nos sentimos desconfortáveis. Por exemplo, ele pode querer Amelia O sirva cantando no coral por um tempo, em vez de fazer cartazes.

Ninguém pode fazer tudo bem. Mas trabalhar em uma tarefa que nos deixa um pouco assustados pode fazer-nos mais abertos à ajuda de Deus. E quando dependemos de Deus, os outros veem a força de Deus que brilha através de nós. Paulo escreveu: "Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós" (2 Coríntios 4:7).

Quando estudamos sobre as pessoas que melhor servem a Deus, percebemos que o verdadeiro poder vem de deixar o Espírito Santo tomar o controle, e pedir a Deus para nos dar as habilidades que precisamos para servi-lo. Ser um especialista pode, às vezes, nos atrapalhar.

Deus não é limitado pela sua idade, seus pontos fracos, ou a sua falta de experiência. Basta ver o que Ele pode fazer através de você, quando você passa o controle ao seu Espírito!

*Publicado originalmente no site Josh McDowell Ministries.

Lei eleitoral autoriza imagens de Flávio Dino ao lado de Dilma Rousseff



Por mais que os petistas aliados a Lobão Filho (PMDB) tentem impedir que o candidato Flávio Dino (PCdoB) fale de sua aliança com Dilma Rousseff (PT), a lei está a favor do candidato do PCdoB.

O parágrafo 6º do artigo 45 da Lei das Eleições (9.504/97) é muito claro ao dizer que é “permitido ao partido político utilizar na propaganda eleitoral de seus candidatos em âmbito regional, inclusive no horário eleitoral gratuito, a imagem e a voz de candidato ou militante de partido político que integre a sua coligação em âmbito nacional.”

Ou seja, o PCdoB – aliado nacional do PT de Dilma Rousseff – está autorizado a usar a imagem e a voz de candidato que integre sua coligação em âmbito nacional. Como o PCdoB de Flávio Dino é aliado histórico do PT de Dilma e Lula e apoia a reeleição da candidata petista, logo Flávio Dino poderá usar em seus materiais a imagem da presidenta.

Preocupados com as diversas imagens de Dino com Dilma que circulam na internet, os aliados de Edinho passaram a pressionar o meio político a evitar que Flávio Dino use a imagem da presidente que concorre à reeleição.

Acontece que ao lado de Dino está a Lei Eleitoral, que é clara quanto à legalidade dos atos do candidato da oposição.

Do Blog do John Cutrim/Jornal Pequeno

Oi é multada em mais de R$ 3 millhões por violações de direitos


Ivan Richard – Repórter da Agência Brasil 

A empresa de telefonia Oi foi multada em R$ 3,5 milhões pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) por violação ao direito à informação, à proteção contra a publicidade enganosa, além do direito à privacidade e intimidade.

De acordo com o DPDC, órgão vinculado ao Ministério da Justiça, o serviço Navegador, disponibilizado aos consumidores do Velox, serviço de banda larga da Oi, mapeava dados de usuários para compor um perfil de navegação. Segundo as investigações, esses perfis eram comercializados com anunciantes, agências de publicidade e portais da web, para oferecer publicidade e conteúdo personalizados.

Em nota, o departamento informou que houve “violação aos princípios da boa-fé e transparência, além de publicidade enganosa”. O documento informa ainda que a Oi, “com o pretexto de melhorar a experiência de navegação, omitiu do consumidor informações essenciais sobre o serviço e suas implicâncias para a privacidade e segurança de dados pessoais.”

De acordo com o DPDC, o serviço da Oi violou também princípios fundamentais definidos pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil, como a neutralidade da rede e o princípio da padronização e interoperabilidade. “A tecnologia do Navegador redireciona o tráfego do consumidor na internet e filtra seus dados, de modo a compor seu perfil de navegação, contrariando padrões da rede”, diz nota do departamento.

O valor da multa foi calculado, de acordo com o departamento, considerando critérios do Código de Defesa do Consumidor, como a “vantagem econômica auferida, a condição da empresa e a gravidade da conduta”.

O valor deverá ser depositado no Fundo de Defesa de Direitos Difusos (FDD) e será revertido para ações de proteção do meio ambiente, do patrimônio público e da defesa dos consumidores.

A reportagem da Agência Brasil tentou contato com a empresa Oi, mas não obteve resposta.

Casal Ciro Ricardo e Mariane Araújo completa nove anos de casamento feliz

O Vice-Prefeito de Tuntum Ciro Ricardo Figueiredo de Araújo e a administradora Mariane Nunes F. de Araújo completam, nesta quarta-feira(23), nove anos de um casamento marcado pela cumplicidade, pela paz e, acima de tudo, pela presença do sentimento amoroso que tem se renovado a cada manhã destes  anos de sucesso no matrimônio e vida a dois.
Ciro Ricardo e Mariane Araújo contraíram núpcias no dia 23 de Julho de 2005 na Capela do Colégio Dom Barreto em Teresina para trazerem ao mundo anos depois Beatriz e, já neste ano,  Valentina para a alegria dos parentes e amigos do casal em Tuntum e Teresina.
O Blog Bate Tuntum parabeniza o casal por mais esta passagem de uma profícua união, sorrisos e vitórias conquistadas em todas as áreas desta família feliz.

terça-feira, 22 de julho de 2014

Artigo Bíblico: “Lições das heroínas da fé” – Hebreus 11.11 e 31


Pr. Isaltino Coelho(In Memoriam)

INTRODUÇÃO


A lista dos heróis da fé, em Hebreus 11, é cronológica. Quase todos os vultos são homens. Duas mulheres: Sara e Raabe. A esposa de Abraão e uma prostituta. Expressivo. Deus não é dos bonzinhos. Seu amor é para os mauzinhos, também. Com Raabe há um contraste: os do povo de Deus, que murmuraram, pereceram. Ela, que não era, viveu. Lição: há gente fora do povo de Deus recebendo bênção. Há gente, no meio do povo de Deus, sofrendo as consequências de uma vida sem fé. Dia 14 preguei sobre “Lições do pai da fé” (Hb 11.8-10). Hoje falo sobre “Lições das heroínas da fé”. Vejamos as lições.


SARA: FÉ É RECEBER O IMPOSSÍVEL – V. 11

Fé é crer no poder de Deus. “Estéril” e havia passado da idade de gerar um filho. Creu no duplamente impossível. “Ela duvidou, ela riu”. Outro ângulo: como eu posso? Eu não posso! Deus podia e pôde. Há fé que exalta a pessoa. Ela se exalta por ter muita fé, põe-se como especial. Como se fosse uma maneira de arrancar as coisas de Deus. Fé é entender assim: eu não posso, eu não tenho condições, mas Deus vai fazer. Sara foi a matriarca, a escolhida. Deus abençoa seu povo quando este crê em suas promessas. Importante: não é fé na fé (“Eu tenho muita fé!” ou “Tenha fé!”). É fé Nele, Naquele que tem todo poder. Jesus: “Todo poder me foi dado” (Mt 28.18). Em sara Deus agiu para que a família eleita fosse ação exclusiva sua, sem influência humana. Os propósitos de Deus dependem de seu querer, e somos apenas instrumentos.


RAABE: FÉ É RECEBER O QUE OUTROS NÃO BUSCAM – V. 31

Fé é crer na graça de Deus. Arriscou a vida. Talvez sacerdotisa pagã. Nome de uma divindade cananita, o monstro do caos. Dragão que nadava no oceano que cobria a terra. Tiamate o venceu e criou o mundo. Sua profissão de fé: Josué 2.8-12. V. 11 com Deuteronômio 4.39. Pede graça. Fé não é dar ordens. Fé é apelar para a graça. “Errei muito, pequei muito, não sou merecedor…”. Pregador: “Fé é saquear os céus”. Que horror! Fé é crer na bondade de Deus, apelar para sua misericórdia, crer que ele perdoa e aceita. Uma gentia que se tornou povo de Deus por causa da fé e da graça. Graça, da parte de Deus, e fé, da nossa, nos tornam membros do povo de Deus. Com Raabe Deus mostra que sua misericórdia perdoa nosso passado e nos dá um futuro cheio de possibilidade.


CONCLUSÃO

Muito de nosso conceito de fé centraliza-se na pessoa: pessoa de muita fé. Há gente que se orgulha de ter fé, como se isto a tornasse manipuladora de Deus ou lhe desse um cartão de crédito espiritual que os outros não têm. Não se ponha como sujeito. Lembre-se de João 3.27. O sujeito é Deus. Só existe fé porque há graça. Faça a oração de Marcos 9.24. “Ajuda a minha fé”.

Cleide Coutinho agradece

humberto coutinho

A deputada estadual Cleide Coutinho ficou satisfeita em ter o seu nome e o do marido, o ex-prefeito Humberto Cutinho entre mais citados na pesquisa Exata/TV Guará, que apurou as intenções de votos do eleitorado maranhense para a eleição de deputado estadual. A pesquisa foi realizada entre os dias 10 e 15 de julho. Foram ouvidos 1400 eleitores em 45 municípios do Maranhão em pesquisa que está registrada na Justiça Eleitoral.

“Ficamos muito felizes e honrados com o reconhecimento do nosso trabalho”, disse Cleide, em nota divulgada. Abaixo, a íntegra:

Agradecimento

Quero agradecer em meu nome e em nome de Humberto o resultado da última Pesquisa do Instituto Exata/TV Guará, divulgada na sexta-feira (18) e registrado no Tribunal Superior Eleitoral com o protocolo BR-00223/2014 e no Tribunal Regional Eleitoral, com o número MA-00022/2014.

Além da ampla liderança do candidato Flávio Dino (54%), na preferência dos eleitores maranhenses, também indica o meu nome e o de Humberto como eleitos, caso as eleições fossem hoje.

Ficamos muito felizes e honrados com o reconhecimento do nosso trabalho, contudo ressaltamos que somente Humberto é o nosso candidato na disputa das eleições para deputado estadual.

Obrigada Maranhão, Obrigada Caxias!!!

Do Jornal Pequeno