terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Presidente faz gesto em busca de distensão política


Ida ao Congresso tenta evitar radicalização ainda maior do debate político


KENNEDY ALENCAR
BRASÍLIA


A ida da presidente Dilma Rousseff hoje ao Congresso para levar pessoalmente a Mensagem do Executivo é um gesto contra a radicalização do debate político. Há acirramento das relações entre governo e oposição desde o fim das eleições de 2014. Essa guerra cresceu no ano passado com o debate em torno do impeachment e pode ganhar ares ainda mais fortes com as investigações contra o ex-presidente Lula.

Numa hora em que a temperatura tende a subir, a presidente toma um atitude ousada, necessária e que busca distensão política. O Brasil enfrenta problemas demais para que sua classe política priorize a guerra ao diálogo.

Nesse contexto, a presidente acerta ao ir hoje pessoalmente ao Congresso. De acordo com auxiliares, as linhas gerais do discurso devem repetir um pouco do que ela falou na reunião do Conselhão na semana passada: reforma da Previdência, recriação da CPMF, projetos que ajudem no reequilíbrio fiscal e combate à crescente ameaça do vírus zika.

Dilma foi aconselhada a fazer um convite à oposição para dialogar. Será preciso ir além de dizer que está aberta ao diálogo. O ideal é apresentar uma proposta concreta para encontrar líderes da oposição.

Também há expectativa em relação à reação da oposição à presença da presidente no Congresso. Uma hostilidade numa cerimônia que é um rito importante de poder soaria como desrespeito institucional. Mas, como a classe política brasileira anda dando provas de estar aquém dos desafios do país, não dá para descartar um erro desse tipo.

Uma distensão política é fundamental, porque a vida real das pessoas, com os fantasmas do desemprego e do zika, merece mais consideração do que jogos de disputa de poder.