terça-feira, 1 de março de 2016

Pastor é preso na China por se opor à retirada de cruzes

Pastor Gu Yuese foi suspeito de peculato e outros 'crimes econômicos'. Há 1 semana, outro pastor protestante, Guohua, pegou 14 anos de cadeia.

O pastor da principal igreja protestante de Hangzhou, no leste da China, foi preso por peculato, depois que se opôs à retirada de cruzes cristãs, anunciou nesta terça-feira (1) a imprensa oficial chinesa.

Moradores passam de bicicleta em frente a uma igreja em Xiaoshan, um subúrbio de Hangzhou (Foto: Lang Lang/Reuters)


A província de Zhejiang, cuja capital é Hangzhou, lançou uma campanha para retirar as cruzes cristãs dos telhados de locais de culto, uma iniciativa criticada pelos opositores, que consideram a medida uma regressão religiosa.

A polícia local deteve o chefe da igreja, o pastor Gu Yuese, suspeito de peculato e outros "crimes econômicos", informou o jornal Zhejiang Daily.

Em maio passado a igreja tinha protestado contra as novas regras provinciais sobre os edifícios religiosos, uma crítica rara de uma instituição aprovada e controlada pelo Estado.

A nova regulamentação determina que as cruzes não podem ser colocadas sobre o telhado das igrejas, mas na fachada, e não devem superar mais do que um décimo da altura dos edifícios.

A prisão deste pastor ocorre uma semana após a condenação a 14 anos de prisão de um outro pastor protestante, Bao Guohua, também acusado de peculato depois de se opor à remoção das cruzes.

A esposa de Bao Guohua, Xing Wenxiang, foi condenada a 12 anos de prisão, informou a imprensa.

France Presse