quarta-feira, 23 de março de 2016

PRB volta à base aliada e pode fazer com que o impeachment não saia da Comissão Especial


A bancada do PRB, através do Deputado Celso Russomano, anunciou, na quinta-feira (17), que o partido tinha deixado a base aliada e que votaria a favor do impeachment da Presidenta Dilma Rousseff.

Porém, de acordo com o colunista Daniel Brito, Dilma e o presidente do PRB, Marcos Pereira, se reaproximaram e fecharam um acordo de cooperação.

Segundo um levantamento feito pelo UOL, 31 Deputados são a favor do impeachment, 28 são contra e 6 não definiram uma posição.

Dos 6 que estão indefinidos, 2 são do PRB.

O Deputado da REDE na Comissão, que também está indefinido, deve votar com o governo, o partido faz campanha contra o impeachment e a favor da cassação da Presidenta no TSE, devido à acensão de Marina Silva nas pesquisas de intenção de voto em 2018.

Bacelar (PTN/BA) declarou que é contra o impeachment dias após o levantamento do UOL.

"Não há como adicionar outras questões no processo, e as pedaladas não configuram crime de responsabilidade", portanto, não há argumento em favor do impeachment", afirmou o Deputado baiano.

Portanto, nesse momento, o governo tem 32 votos dos 33 necessários

Restariam apenas 2 parlamentares sem um posicionamento, Édio Lopes (PR/RR) e Weliton Prado (PMB/MG). 

Lembrando que o Deputado roraimense é ligado a Leonardo Picciani (PMDB/RJ).

Fonte: Debate Progressista