sexta-feira, 29 de abril de 2016

DILMA RENOVA MAIS MÉDICOS E DENUNCIA O GOLPE



Nesta manhã, a presidente Dilma Rousseff assinou Medida Provisória, em que renovou o programa Mais Médicos, garantindo a permanência de 7 mil profissionais no programa neste ano; na cerimônia, ela voltou a atacar o golpe parlamentar de que é vítima; "O processo que está em curso no Brasil tem nome e seu nome é golpe", disse ela; "Trata-se de uma eleição indireta, coberta pelo manto do impeachment, daqueles que não tiveram votos nas urnas"; ela afirmou que não luta apenas para preservar seu mandato, mas também para garantir conquistas sociais, como o Mais Médicos; "Hoje, atendemos 63 milhões de pessoas, muitas das quais jamais haviam tido atendimento médico"; renovação do programa atende a pedido da Frente Nacional de Prefeitos, que temia um desmanche do programa em caso de mudança de governo

247 – Nesta manhã, a presidente Dilma Rousseff assinou uma nova Medida Provisória, em que renovou o programa Mais Médicos, garantindo a permanência de 7 mil profissionais no programa neste ano.

Na cerimônia, ela voltou a atacar o golpe parlamentar de que é vítima. "O processo que está em curso no Brasil tem nome e seu nome é golpe", disse ela. "Trata-se de uma eleição indireta, coberta pelo manto do impeachment, daqueles que não tiveram votos nas urnas".

"A acusação é ridícula. O que nós fizemos foi apenas garantir a continuidade de programas sociais e de outras políticas de governo, como o Plano Safra", afirmou a presidente. "Me acusam de ampliar os gastos sociais, o que é obrigação de um presidente".

Segundo ela, o impeachment fere os direitos não apenas dos 54 milhões de brasileiros que votaram por sua reeleição, como de todos os 115 milhões de brasileiros que saíram às ruas para votar.

Dilma afirmou que não luta apenas para preservar seu mandato, mas também para garantir conquistas sociais, como o Mais Médicos.

"Hoje, atendemos 63 milhões de pessoas, muitas das quais jamais haviam tido atendimento médico", afirmou.

A renovação do programa atende a pedido da Frente Nacional de Prefeitos, que temia um desmanche do programa em caso de mudança de governo.

Dilma afirmou que o Mais Médicos foi uma das respostas de seu governo às manifestações de junho de 2013. Naquele momento, com 1,8 médico por mil habitantes, o Brasil tinha uma média bem inferior à de países vizinhos, como Argentina e Uruguai, onde o número se aproxima de 3 médicos por mil habitantes.

Ela afirmou ainda que sabia das reações corporativas que haveria no início, mas disse que o esforço foi recompensado. "Hoje, há aprovação de 95% da população à atuação dos médicos que atuam no programa".