quarta-feira, 20 de abril de 2016

O golpe é o que interessa. No resto, o STF não tem pressa

lalala

Você pensa que já era uma tragicomédia o Supremo julgar só hoje, depois da votação da Câmara, o veto à posse de Lula como ministro da Casa Civil do Governo Dilma?

Calma, a coisa consegue ser pior.

Teori Zavascki pediu adiamento – sine die – até que possa apreciar um recurso do PSB numa ação que já tinha sido recusada por ele.

O problema é que isso deixa a liminar de Gilmar Mendes valendo, como está valendo desde o dia seguinte à nomeação.

De novo, só o ministro Marco Aurélio teve uma posição digna de recusar esta pataquada.

Enquanto para o golpe é toque de caixa, para o exercício do poder político da presidente eleita, é a passo de cágado.

Cágado, com acento agudo na proparoxítona.

Fernando Brito/Tijolaço