segunda-feira, 11 de abril de 2016

PLANALTO TEM HOJE 216 VOTOS CONTRA O GOLPE



Embora deva ser derrotado na votação da comissão que trata da admissibilidade do impeachment, o governo tem maioria para evitar, em plenário, a cassação da presidente Dilma Rousseff; hoje, o Palácio do Planalto conta com 216 votos, 45 a mais do que o necessário, e o número pode crescer nos próximos dias, com a articulação que vem sendo conduzida pelo ex-presidente Lula e com o crescimento das manifestações contra o golpe, como a que ocorrerá hoje no Rio de Janeiro, com a presença de diversos artistas e do compositor Chico Buarque de Holanda; segundo o deputado Wadih Damous (PT-RJ), mesmo uma eventual derrota do governo na votação prevista para esta tarde por uma diferença de poucos votos "significaria que a oposição não tem os dois terços para ganhar no plenário"; o também petista Arlindo Chinaglia (SP) disse que a diferença do resultado deve ficar em no máximo cinco votos de um total de 65 membros da comissão, seja a favor de Dilma ou contra a presidente

247 – Enquanto a sociedade se volta para a votação do relatório do deputado Jovair Arantes (PTB-GO), sobre a admissibilidade do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, o Palácio do Planalto trabalha para vencer em plenário, numa votação prevista para ocorrer no domingo 17.

Embora deva ser derrotado na votação desta tarde, o governo tem maioria para evitar, em plenário, a cassação da presidente Dilma Rousseff. Hoje, o Palácio do Planalto conta com 216 votos, 45 a mais do que o necessário, e o número pode crescer nos próximos dias, com o crescimento das manifestações contra o golpe, como a que ocorrerá hoje no Rio de Janeiro, com a presença de diversos artistas e do compositor Chico Buarque de Holanda.

Segundo o deputado Wadih Damous (PT-RJ), mesmo uma eventual derrota do governo na votação prevista para esta tarde por uma diferença de poucos votos "significaria que a oposição não tem os dois terços para ganhar no plenário". O também petista Arlindo Chinaglia (SP) disse que a diferença do resultado deve ficar em no máximo cinco votos de um total de 65 membros da comissão, seja a favor de Dilma ou contra a presidente.

Leia, abaixo, reportagem da Reuters sobre a votação desta tarde sobre o relatório da comissão especial:

Governistas veem resultado apertado em comissão do impeachment; oposição crê em vitória com até 70%

BRASÍLIA (Reuters) - Parlamentares governistas acreditam que a votação nesta segunda-feira na comissão especial do impeachment do relatório sobre a admissibilidade da denúncia de crime de responsabilidade contra a presidente Dilma Rousseff será apertada, ante expectativa da oposição de aprovação do parecer com margem de até 70 por cento de apoio.

Segundo o deputado Wadih Damous (PT-RJ), mesmo uma eventual derrota do governo na votação prevista para esta tarde por uma diferença de poucos votos "significaria que a oposição não tem os dois terços para ganhar no plenário".

O também petista Arlindo Chinaglia (SP) disse que a diferença do resultado deve ficar em no máximo cinco votos de um total de 65 membros da comissão, seja a favor de Dilma ou contra a presidente.

Já o deputado de oposição Vanderlei Macris (PSDB-SP) disse esperar que o relatório favorável ao impeachment seja aprovado com uma diferença ao menos "razoável", se não for "acachapante".

"Acredito que o impeachment terá entre 60 e 70 por cento de apoio na comissão", afirmou.

A comissão do impeachment retoma os trabalhos nesta segunda de manhã para ouvir o relator Jovair Arantes (PTB-GO), o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, e os líderes partidários, antes de iniciar o processo de votação previsto para as 17h.

Uma vez votado na comissão da Câmara, o relatório precisa ser lido na sessão plenária seguinte da Casa, e posteriormente publicado. Após a publicação é necessário respeitar um prazo de 48 horas para que a denúncia seja incluída na pauta, o que deve ocorrer na sexta-feira. A votação no plenário está prevista para domingo.

A denúncia contra Dilma só pode ser admitida e encaminhada ao Senado a partir do voto de 342 dos 513 deputados no plenário da Câmara.

No fim de semana, pesquisa Datafolha mostrou que o número de brasileiros a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff diminuiu para 61 por cento, 7 pontos percentuais a menos do que em março. 

(Reportagem de Leonardo Goy)