• DIVULGUE COM A GENTE E APAREÇA • batetuntum@gmail.com •

quarta-feira, 6 de abril de 2016

‘TEMOS QUE DEFENDER AS REGRAS DA DEMOCRACIA’

:

"Está muito claro que há uma consciência democrática da Nação mobilizada em defesa da Constituição. Mais do que defender o Governo, temos que defender o jogo democrático, temos que defender a Constituição. Trata-se de defender as regas do jogo democrático", avaliou o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB); ex-presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), ele disse que as "chamadas pedaladas e fiscais não têm capacidade de gerar esse evento, que é o impeachment"; "Se não há uma causa constitucional para o afastamento da presidente da República , é claro que o povo brasileiro está diante de uma tentativa de romper as regras do jogo", afirmou

Maranhão 247 - O governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), afirmou que existe no Brasil uma consciência democrática de respeito à Constituição Federal que impede golpe contra o mandato da presidente Dilma Rousseff (PT). "Está muito claro que há uma consciência democrática da Nação mobilizada em defesa da Constituição. Mais do que defender o Governo, temos que defender o jogo democrático, temos que defender a Constituição. Trata-se de defender as regas do jogo democrático", disse.

De acordo com o governador, ex-presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), "houve uma eleição, a presidente Dilma foi vitoriosa, conquistou e tem o direito a um mandato de quatro anos e esse mandato só pode ser interrompido, segundo a Constituição, se houver a prática de um crime cometido por ela e como está cabalmente demonstrado as ditas e chamadas pedaladas e fiscais não têm capacidade de gerar esse evento, que é o impeachment".

"Se não há uma causa constitucional para o afastamento da presidente da República , é claro que o povo brasileiro está diante de uma tentativa de romper as regras do jogo. Independente ou não de gostar do Governo, eu acho que é dever de todo brasileiro lutar pelo aquilo pelo qual lutamos duramente, que é a Constituição e as eleições livres, que nós fizemos em 2014 pela sexta vez consecutiva. Haverá nova eleição geral em 2018 e o povo vai escolher naquele momento o caminho que considerar mais adequado", disse ele em entrevista ao jornal Meio Norte, nesse final de semana.

Após o PMDB anunciar, no final do mês passado, o desembarque do governo Dilma, o governador do Maranhão disse que a decisão foi "lamentável, que significa que uma parte do PMDB resolveu abdicar do papel, que tradicionalmente esse partido teve, que foi o de defensor da democracia".

"Por outro lado, abre espaço para que a presidente Dilma Rousseff recomponha a base parlamentar do governo e consiga aquilo que nós estamos precisando, que é a estabilidade para que a economia volte a crescer, volte a retomada dos investimentos públicos e privados. Por isso mesmo, nós somos defensores do diálogo, de uma nova repactuação do governo como caminho principal para que país tenha a paz necessária".
Compartilhe:

Copyright © | Direção: Jornalista Emerson Araújo | Bate Tuntum | Suport/ 99 98271-8514