terça-feira, 17 de maio de 2016

NO TAPETE VERMELHO DE CANNES, ARTISTAS DENUNCIAM GOLPE NO BRASIL


Sessão de gala de Aquarius, filme brasileiro que concorre à Palma de Ouro no Festival de Cannes este ano, foi marcada nesta terça-feira por protestos contra o golpe no Brasil e contra o governo "ilegítimo" do presidente interino Michel Temer; na passagem pelo tapete vermelho, o elenco do filme - que inclui atrizes renomeadas como Maeve Jinkings, Sonia Braga e a produtora Emilie Lesclaux -, além de convidados e produtores exibiram cartazes em inglês com as frases "We will resist" (nós resistiremos) e "The people can't accept an illegitimate government" (o povo não pode aceitar um governo ilegítimo); assista ao vídeo

247 - A sessão de gala de Aquarius, filme brasileiro que concorre à Palma de Ouro no Festival de Cannes 2016, foi marcada nesta terça-feira 17 por protestos contra o governo do presidente interino Michel Temer e contra o processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, denunciado como um "golpe de Estado" pelo elenco.

A equipe do filme exibiu cartazes em inglês com as frases "Nós resistiremos" e "O mundo não pode aceitar um governo ilegítimo", durante sua passagem pelo tapete vermelho. Outros cartazes diziam: "Um golpe de estado ocorreu no Brasil", "Brasil vive um golpe de Estado" e "54.501.118 de votos queimados!".

Diretor do filme, o pernambucano Kléber Mendonça Filho estava acompanhado das atrizes Maeve Jinkings e Sonia Braga, que faz o papel da protagonista, além da atriz Barbara Colen, do produtor Emilie Lesclaux e convidados. O protesto foi destaque na página do festival na internet.

O filme conta a história de uma crítica de música aposentada que luta contra um empresário que pretende demolir o prédio onde mora, último de seu estilo no bairro de Boa Viagem, no Recife, para construir um novo empreendimento imobiliário.

Assista ao momento em que os atores levantam seus cartazes no tapete vermelho: