segunda-feira, 16 de maio de 2016

RÚSSIA APONTA DEDO DE OBAMA NO GOLPE BRASILEIRO


O governo russo fez hoje sua primeira declaração mais contundente sobre a crise brasileira e viu digitais dos Estados Unidos na crise política que levou Michel Temer ao poder provisório; "Um dos problemas mais importantes das relações internacionais contemporâneas é a tendência do Ocidente de manter a tudo o custo o domínio nos assuntos globais e regionais. A América Latina e o Caribe não são exceção. Notamos uma intensificação da política externa dos EUA nesta região, que vai até tentativas de interferir nos assuntos internos de alguns Estados”, disse o vice-ministro Sergei Ryabkov; ele acredita, no entanto, que o Brasil conseguirá ultrapassar este período de instabilidade porque tem aspirações de grande potência "e é um país muito grande para se tornar vítima dos planos norte-americanos"

Da Agência Sputinik – "Um dos problemas mais importantes das relações internacionais contemporâneas é a tendência do Ocidente de manter a tudo o custo o domínio nos assuntos globais e regionais. A América Latina e o Caribe não são exceção. Notamos uma intensificação da política externa dos EUA nesta região, que vai até tentativas de interferir nos assuntos internos de alguns Estados”, disse o vice-ministro Sergei Ryabkov.

"As relações internacionais são um mecanismo muito complexo para que possam ser controladas por um centro único. A Rússia apoia que a América Latina ganhe mais independência no âmbito destas tentativas do Ocidente. Moscou gostaria que a região tornasse um dos pilares do mundo multipolar", continuou Ryabkov.

De acordo com o diplomata, a Rússia está interessada em desenvolver as relações com os líderes de todos os países latino-americanos, independentemente da sua liderança ou política externa escolhida.

"A decisão sobre a linha política externa é um direito soberano e o dever de qualquer Estado. Estamos abertos à cooperação com todos os governos legítimos dos países interessados”, acrescentou Ryabkov. Segundo analistas, a cota-parte dos EUA no comércio com os países latino-americanos diminui de forma lenta, gradual e permanente. Países como a China, a Índia, a Rússia, bem como a Turquia e o Irã, tentam ocupar o lugar dos americanos. 

Por isso, os EUA tentam fazer algo para preservar as suas posições em países da América Latina. Embora, na opinião do especialista, o Brasil conseguirá ultrapassar este período de instabilidade porque tem aspirações de grande potência, é um país muito grande para se tornar vítima dos planos norte-americanos.

Leia mais: http://br.sputniknews.com/mundo/20160516/4610121/eua-america-latina.html#ixzz48qbNicE3