quinta-feira, 23 de junho de 2016

O “roque” no xadrez da Lava Jato, para proteger o Rei Temer


Por Fernando Brito/Tijolaço

Para usar a linguagem das ótimas análises de Luís Nassif, que compara aos movimentos do xadrez os lances da política – e aqui no Brasil, cada vez mais política se confunde com política – o que aconteceu hoje foi um “roque”.

O roque, para os iniciados, consiste em um movimento de inversão entre torre e rei, trazendo este mais para o canto do tabuleiro, em posição mais protegida. Sua finalidade é salvar o rei de um possível xeque.

A torre, o Ministro da Justiça e única indicação exclusivamente pessoal de Temer, foi ontem a Curitiba, limpar as “casas” que pudessem impedir o movimento planejado.

Porque, basta olhar o despacho do juiz Paulo Bueno de Azevedo, da 6ª Vara Criminal de São Paulo para ver que as ações tomadas hoje (23) estão autorizadas há exatos 20 dias, desde 3 de junho.

Ironicamente, com a ordem de “cumpra-se com urgência”.

Os enxadristas sabem que não se faz o roque cedo demais.

Em 12 horas, saíram de cena os perigosos personagens que ameaçavam fazer a Lava Jato avançar para as cercanias de Michel Temer e voltou-se aos “malditos petralhas” como personagens exclusivos, num história, a rigor, mixuruca.

Muito mais do que eu e você, Janot e o Supremo sabem ler despachos judiciais para perceber o baixo grau de solidez e a insegurança do próprio juiz que tomou as decisões.

Não vai ser surpresa que caiam e o tabuleiro volte à configuração anterior.

O problema é que o PT é um jogador tão bisonho que demora a agir e muito mais a reagir.