quarta-feira, 15 de junho de 2016

SARNEY DISSE QUE FARIA ”ACENO“ A PREFEITO PRESO POR ESTUPRO



Após pedido de um aliado, o ex-presidente José Sarney (PMDB-AP) prometeu fazer um “aceno” pelo prefeito de Santa Inês (MA), Ribamar Alves (à dir.), que foi preso em flagrante, em janeiro, pelo crime de estupro de uma jovem de 18 anos; Alves ficou quase um mês no Presídio de Pedrinhas (MA); o diálogo foi gravado pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, delator da Lava Jato; no áudio, o ex-deputado Chiquinho Escórcio (PMDB-MA) fala para Sarney: "Ribamar Alves está preso. Mandou (…) lhe procurar"; após o ex-parlamentar perguntar se o ex-presidente conversaria com Franklin Seba, presidente da Câmara Municipal de Santa Inês e aliado do prefeito que tinha sido preso, Sarney responde: "posso fazer aceno… Uma hora que você vier aí, você vem com ele"

Maranhão 247 - Após pedido de um aliado, o ex-presidente da República José Sarney (PMDB-AP) prometeu fazer um “aceno” pelo prefeito de Santa Inês (MA), Ribamar Alves, que foi preso em flagrante, no dia 29 de janeiro, pelo crime de estupro de uma jovem de 18 anos. Alves ficou quase um mês no Presídio de Pedrinhas (MA), conhecido pelas constantes rebeliões violentas. O peemedebista prometeu dar o sinal durante conserva em sua casa com o ex-deputado Chiquinho Escórcio (PMDB-MA), aliado do ex-presidente. O diálogo foi gravado pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, delator da Operação Lava Jato.

No áudio feito em fevereiro, Chiquinho disse querer o apoio de Sarney para interferir junto a desembargadores do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ-MA) para tirar Alves da prisão. O ex-parlamentar argumentou seria interessante politicamente a liberdade de Alves, pois eles teriam, com isso, a prefeitura “na mão”.

Sarney e Machado conversavam sobre a Lava Jato quando foram interrompidos pela chegada do ex-deputado. Chiquinho afirmou que procurou Sarney a pedido da família de Alves.

O ex-deputado disse que reconhece o ressentimento entre Sarney e Alves, mas faz um apelo. “Eu trouxe um assunto aí que é político lá do Maranhão. Ribamar Alves está preso. Mandou (…) lhe procurar. Quer sentar no seu colo, pedir perdão, fez tanta injustiça com o senhor, o senhor foi amigo do pai dele, é, inclusive, padrinho do irmão dele. Está numa situação… A mulher dele quer vir aqui”, afirmou o ex-deputado. O áudio foi obtido pela Folha (veja aqui).

Na sequência, Chiquinho disse que já tinha na mente a estratégia para ajudar o prefeito de Santa Inês. “Eu já tenho a saída toda pontilhada. Quem são os nossos amigos e tal. Temos um voto [a favor] e um voto contra. Está faltando um voto. Vou almoçar agora com o desembargador que pode ser esse desembargador ou [inaudível]”, complementou.

Intenção é ter "prefeitura na mão"

O ex-deputado revelou que iria negociar com Franklin Seba, que é presidente da Câmara de Vereadores de Santa Inês e aliado do prefeito que tinha sido preso. “Como o negócio é na quinta-feira… para ver como a gente faz. Eu sei que o senhor tem coração deste tamanho. Aí eu disse, acho até que é interessante politicamente porque nós podemos ter aquela prefeitura na mão”, afirmou.

Chiquinho pediu uma posição de Sarney sobre o caso. “O que eu puder ajudar, eu ajudo”, disse o ex-presidente. Chiquinho respondeu: “Ele [Seba] quer saber se o senhor recebe para conversar essa ladainha toda com o senhor. Acho que é importante. Ele veio do Maranhão por conta disso”. “Para conversar comigo?”, perguntou Sarney.

Chiquinho explicou a posição. “É, eu venho com ele. Converso com o senhor e o senhor diz que o Chiquinho toma conta. Eu tenho a saída tanto lá como aqui. […] O senhor já perdoou tanta gente.” Sarney retrucou: “Eu não tenho nada disso”. E completou: “posso fazer aceno… Uma hora que você vier aí, você vem com ele".

No dia 25 de fevereiro, Alves passou a cumprir pena alternativa em substituição à prisão. A decisão foi da Segunda Câmara Criminal do TJ do Maranhão por 2 votos a 1. De acordo com procuradores, o diálogo gravado por Sérgio Machado teria ocorrido dois dias antes da decisão do TJ.

Outro lado

A defesa do ex-presidente José Sarney afirmou que não teve acesso às gravações feitas pelo ex-presidente da Transpetro. O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, disse que não identificou nos trechos relatados indício de conduta criminosa.

O ex-deputado Chiquinho Escórcio (PMDB-MA) disse que não se recordava da conversa. Depois ele afirmou que foi procurado pela mulher do prefeito e por um vereador do município em busca de um contato com Sarney para ajudá-lo. Alves negou, porém, que tenha se encontrado com um desembargador que julgaria o caso de Ribamar Alves.

Escórcio também revelou que avisou Sarney do contato, mas que o ex-presidente estava doente e não pôde recebê-los. E negou ter tomado alguma medida para ajudar o prefeito. “O que eu poderia fazer?”, disse.