segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Temer traiu Cunha



Por ALEX SOLNIK/br 247

A dobradinha Temer-Cunha funcionou até a primeira semana de dezembro de 2015.

Cunha arrecadava dinheiro para o partido do jeito que estava acostumado e Temer assinava os cheques destinados aos candidatos do partido indicados por Cunha, com o que ele formou sua própria bancada na Câmara dos Deputados.

Em dezembro passado – de acordo com relato publicado na Veja dessa semana – Cunha teria comunicado ao então vice-presidente da República o fechamento de um acordo com o ministro-chefe da Casa Civil de Dilma, Jaques Wagner: ele orientaria a bancada do PT a livrá-lo de julgamento no conselho de ética e Cunha arquivaria o processo de impeachment de Dilma.

No dia seguinte o acordo secreto saiu nos jornais e Rui Falcão mandou os deputados do PT votarem contra Cunha.

E Cunha reagiu anunciando abertura do impeachment, achando que fora traído por Wagner.

Mais tarde Cunha descobriu que os responsáveis pelo vazamento tinham sido pessoas próximas a Temer.

Ou seja: Temer tratou de implodir o acordo de Cunha para ser favorecido com a queda da presidente.

E com esse movimento deflagrou o impeachment, o processo contra Cunha e sua consequente cassação e, finalmente, a sua prisão.

Por trair Dilma, Temer não sofreu represálias. Mas trair Cunha são outros quinhentos.

Alex Solnik é jornalista. Já atuou em publicações como Jornal da Tarde, Istoé, Senhor, Careta, Interview e Manchete. É autor de treze livros, dentre os quais "Porque não deu certo", "O Cofre do Adhemar", "A guerra do apagão", "O domador de sonhos" e "Dragonfly" (lançamento setembro 2016).