quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

FHC SE DIZ PRONTO PARA DIALOGAR COM LULA


Depois de articular o golpe de 2016, que instalou no poder a "pinguela" Michel Temer, num projeto que arruinou a democracia e quebrou a economia brasileira, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso agora prega o diálogo; segundo ele, a crise atual é mais grave do que a de 1964 e é preciso que as forças políticas se entendam; numa entrevista recente, Lula também pregou diálogo entre os partidos para que o País encontrasse uma saída democrática; será possível algum entendimento?

247 – O golpe de 2016, articulado pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, fracassou. O plano inicial previa a derrubada de Dilma Rousseff, o impedimento preventivo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a eventual cassação do registro do PT. Paralelamente, Michel Temer implantaria a chamada "ponte para o futuro", a confiança retornaria e, em 2018, um tucano seria eleito para a presidência da República.

Oito meses depois do golpe, Lula lidera as pesquisas Datafolha e três presidenciáveis tucanos estão implicados na Lava Jato: José Serra por receber R$ 23 milhões na Suíça, Geraldo Alckmin acusado de ganhar R$ 2 milhões por meio do cunhado e Aécio Neves suspeito de ter despesas pessoais bancadas pelo marqueteiro.

Além disso, a "pinguela" Michel Temer fracassou. A economia brasileira foi ao fundo do poço, em razão do golpe, a imagem do Brasil, cujas elites sabotaram a democracia, foi arruinada.

É nesse contexto que FHC prepara uma guinada. Em entrevista à colunista Sonia Racy, ele sinalizou a intenção de dialogar com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Depois de dizer que a crise atual no Brasil é mais grave do que a de 1964, ele defendeu o entendimento. "É preciso que pessoas de posições diferentes conversem e retorne o bom senso. Mas quando falo em diálogo não é entre os que se entendem. É com os que não querem o diálogo".

FHC, na realidade, nunca quis o diálogo, enquanto imaginou que o golpe seria um projeto bem-sucedido. Agora que o fracasso é evidente, ele muda de postura. De todo modo, sua posição converge com a do ex-presidente Lula, que recentemente falou à TV turca e pregou o entendimento. 

"Eu acho que a melhor solução agora é os partidos políticos discutirem uma PEC, uma emenda constitucional e recuperar o direito do povo escolher o seu presidente da República outra vez pelo voto direto", disse ele, defendendo o diálogo entre os partidos.