quinta-feira, 16 de março de 2017

Ocupação: como foi bom ver o Brasil nas ruas!

Este movimento golpista quer destruir o Estado como nós o idealizamos, a partir do trabalhador, para transformá-lo num arremedo, num retorno aos tempos do escravismo. 

Por Ariovaldo Ramos/Pastor 


Como foi bom estar ontem na avenida Paulista vendo-a lotada de novo, com o Brasil tomando as ruas.

Isto depois de ter sabido o que aconteceu em todo Brasil, a Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito, esteve presente em todas as capitais, e vimos como o Brasil começou a reagir ao golpe; como o as pessoas finalmente se deram conta, ou estão se dando conta de que estamos diante de um golpe contra o trabalhador, contra os seus direitos mais legítimos e resultantes de luta por décadas.

Este movimento golpista quer destruir o Estado como nós o idealizamos, a partir do trabalhador, para transformá-lo num arremedo, num retorno aos tempos do escravismo.

Como foi bom ver o Brasil nas ruas! Temos de nos manter nas ruas, temos de marcar nossa posição, não podemos admitir um país governado a partir da cadeia, como disse o senador e ex-presidente do Senado.

Como alguém pode ter tido seu mandato destituído, estar preso, ainda que preventivamente, e, mesmo assim, estar no controle do Estado, por meio de indicações que não são questionadas?

Não é possível que assistamos a tudo isso sem perceber que estamos a ver uma orquestração maligna contra o trabalhador, contra mulher, contra as crianças, contra os indígenas!

Não é possível que assistamos o que está acontecendo com os povos indígenas! A destruição da identidade e do direito indígena é um sinal claro de tudo que se pretende fazer, em todo Brasil, em favor de uma minoria plena de privilégios e que precisa começar a ceder ao direito.

Nosso luto vem do verbo lutar!