• DIVULGUE COM A GENTE E APAREÇA • batetuntum@gmail.com •

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Nenhuma religião pode tentar usar o Estado para se impor à nação

1645907864-fe-e-politica-no-brasil

Pastor Ariovaldo Ramos
MídiaNinja

Confusão!

Um senador da República está trabalhando sério sobre a questão do abuso de poder por parte do poder judiciário; é a lógica republicana de que todos os poderes da República têm de estar sob controle social.

Há um protesto por parte de membros do judiciário sendo veiculado pela mídia. Esse protesto é liderado por um membro do Ministério Público que teve a sua fé, que é evangélica, alardeada pela rede social, em cena em que aparece ajoelhado recebendo oração de seu pastor comissionando-o para uma cruzada pela justiça, em nome de seu deus.

O senador chamou a atenção desse servidor público, para o que entendeu ser, na ação desse servidor, um ato em desacordo com a fé que ele anunciou para todo mundo.

Portanto, um anuncia para todos que está prestando serviço púbico em nome de seu deus, e o outro reclama de seu serviço público dizendo que ele foi incoerente, e não honrou o deus que usa como justificativa para o que faz. Que confusão!

Não há nada de errado em que um fiel peça a benção de seu deus por meio de seu sacerdote, para melhor poder exercer seu trabalho. Mas, publicizar isso, quando se trata de trabalho público, quebra a lógica do estado laico, pois, no estado laico todo serviço púbico deve ser exercido em nome da Constituição.

É nessa confusão que nós evangélicos nos metemos na nossa relação com o Estado.

Embora sejamos incentivados por nossa fé a fazer tudo como um culto, temos de entender que essa prática pessoal é para buscar a excelência em nosso trabalho, e não para fazer de nosso trabalho uma plataforma para impormos a nossa fé, principalmente, se nosso trabalho é serviço público.

Apesar de haver evangélicos em todos os partidos, que é como deve ser, é interessante ver que há, pelo menos, dois partidos políticos que, na prática, são de evangélicos, ainda que cumpram nos seus estatutos as normas constitucionais. E parece que um terceiro partido, com essa configuração, está em formação.

Não há dúvida de que a representatividade, na democracia moderna, se tornou um grande desafio. A sociedade se tornou muito complexa e os critérios usados até hoje não são mais suficientemente abrangentes, porém, o Estado é Laico, e, no caso brasileiro, plenamente laico, uma vez que o Estado brasileiro não legisla sobre religião, deixando o culto religioso absolutamente livre.

No Brasil só uma coisa, por definição, é proibida para as religiões: Nenhuma religião pode tentar usar o Estado para se impor à nação.

Pastor Ariovaldo Ramos - Ex-presidente da Associação Evangélica Brasileira e um dos fundadores da Frente de Evangélicos Pelo Estado de Direito, uma resposta ao grande número de crentes que defendem a justiça, o direito e a democracia.
Compartilhe:

Copyright © | Direção: Jornalista Emerson Araújo | Bate Tuntum | Suport/ 99 98271-8514