quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Baculejo de Weverton em João Alberto foi para defender o Maranhão

Blog Marrapá - De dedo em riste, o deputado federal Weverton Rocha (PDT) mostrou coragem ao enquadrar o 2ª vice-presidente do Senado, João Alberto (PMDB), durante análise de vetos do Governo Federal pelo Congresso Nacional na noite desta terça-feira (29) em Brasília.

A pauta da discussão tratava sobre o programa Cartão Reforma e o artigo que estipulava a reserva de 20% dos recursos a famílias residentes em zona rural. Para defender os interesses do presidente Michel Temer (PMDB), João Alberto (PMDB) tentou impedir a fala das lideranças, entre elas a do PDT, Weverton Rocha, rasgando o Regimento Interno. Atitude foi a senha para trazer a disputa política do Maranhão para dentro da capital federal.

Weverton não teve qualquer receio em cobrar postura mais independente, até mesmo honrosa de João Alberto, ao invés de se limitar apenas ao papel de tarefeiro de Temer. O pedetista lembrou ao valente “Carcará” quem o elegeu.

“Senador João Alberto, o Maranhão está com vergonha de vossa excelência sabe por quê? Porque a maioria lá é da zona rural, era um projeto que iria beneficiar a zona rural senador. Quem lhe elegeu não foi o Temer foi o povo do Maranhão”.

O peemedebista, conhecido pelo seu temperamento explosivo, não esboçou reação e se escondeu atrás do presidente do Senado, Eunício de Oliveira (PMDB-CE), também severamente criticado pelo deputado federal.

A bancada do Maranhão no Congresso é composta por deputados e senadores de vários partidos e correntes políticas, contudo, quando surge uma pauta de interesse da população do estado é natural a união e até mesmo consenso, explicou Weverton. Menos para João Alberto, que preferiu seguir a cartilha de Temer.

“Simplesmente o senhor só cumpre a tradição de achar que cumprir ordem do governo é não respeitar a palavra do outro, ou não respeitar as partes”.

O “baculejo” do líder do PDT pra cima de Alberto é apenas um ensaio de 2018. A dupla disputa no próximo ano uma das duas vagas ao Senado, como todo mundo sabe, em lados opostos.