quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Mais um legado de Roseana: conseguiu jogar Maranhão de penúltimo para último em qualidade de vida


Um levantamento divulgado hoje pela revista EXAME comprova mais uma façanha dos 50 anos de domínio da família Sarney. O Maranhão, que figurava como penúltimo em qualidade de vida no país, caiu para último, no período que vai de 2005 até o final da última gestão de Roseana Sarney.

Nos dez anos que se seguiram a 2005, o Índice dos Desafios da Gestão Estadual (IDGE), desenvolvido pela consultoria Macroplan contratada pela Istoé, avalia a situação de todas as unidades da federação em 28 indicadores agrupados em nove áreas. O ranking vai de 0 a 1 – quanto mais próximo de zero, pior é a condição de vida no local.

Maranhão de Sarney, um antiexemplo

O Maranhão foi um dos poucos estados do Brasil que teve piora do índice no período. Em todo o país, o último colocado no ranking é o Maranhão, que contabilizou 0,432 pontos. Em dez anos, a desigualdade de renda perdeu 21 posições, caindo do 5º lugar em 2005 para 26º em 2015.

A pesquisa tem como recorte dez anos (2005-2015). Período em que o Maranhão foi governado por Roseana Sarney por cinco anos, entre 2009 e 2014. Não por coincidência, 2009, 2013 e 2014 foram os anos em que houve o maior número de estados que pioraram ou estagnaram suas posições no ranking.

Em 2015, desenvolvimento econômico e social foram as áreas mais afetadas como consequência da crise econômica e política do país.

“Esse resultado é reflexo do ambiente político conturbado e da desaceleração da economia que se agravou a partir de 2014 e resultou na queda do PIB e no expressivo crescimento da taxa de desemprego”, diz Gustavo Morelli, diretor da Macroplan.

Marrapá