sábado, 30 de setembro de 2017

PARA SE SAFAR DA 2ª DENÚNCIA, TEMER NEGOCIA COM DEPUTADOS DO MA



Com marrapa.com e Poder 360 – O presidente Michel Temer reabriu as portas de seu gabinete no Palácio do Planalto com a chegada da nova denúncia por parte da Procuradoria Geral da República. De 2ª feira (25.set) a 6ª feira (29.set), o peemedebista recebeu 43 deputados. Entre eles os deputados federais pelo Maranhão Aluísio Mendes (Pode) e Cléber Verde (PRB), ambos foram a favor do arquivamento da primeira denúncia.

Desde a 2ª denúncia, em 14 de setembro, foram 48 deputados. Desses, Cléber Verde e mais 11 são integrantes da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara. O ritmo de audiências se intensificou após Temer voltar de viagem aos Estados Unidos, onde participou da Assembleia Geral da ONU, em 21 de setembro.

O levantamento do Poder360 leva em conta as agendas oficiais do presidente da República divulgadas pelo site do Palácio do Planalto. Há encontros que não são registrados pela Secretaria de Comunicação Social do Governo –o exemplo mais célebre é a reunião entre o presidente e Joesley Batista no Palácio do Jaburu.

NA 1ª DENÚNCIA: 3 AUSENTES E 1 CONTRÁRIO

Dos deputados que se reuniram com Michel Temer, 3 estiveram ausentes na votação da admissibilidade da 1ª denúncia e 1 foi contra o presidente.

O peemedebista Osmar Serraglio (PR), ex-ministro da Justiça, não esteve na votação em 2 de agosto e se reuniu com o presidente na 4ª feira (27.set). Marcos Reategui (PSD-AP) e João Fernando Coutinho (PSB-PE) também votaram no plenário da Câmara e se reuniram com Temer.

O peessebista George Hilton (MG), ex-ministro do Esporte do governo da ex-presidente Dilma Rousseff, esteve com Michel Temer na 5ª feira (28.set). No plenário da Câmara, ele votou contra o presidente.

INTEGRANTES DA CCJ

Ao todo, Temer recebeu 12 deputados que atualmente integram a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), colegiado que analisa a denúncia antes de o processo ir ao plenário da Casa.

A comissão tem 66 integrantes titulares. Descontando cerca de 20 votos já definidos contra Michel Temer (de deputados do PT, PC do B, PDT, Rede, Psol, PSDB, PSB e Podemos), restam 46 governistas ou “negociáveis”. O presidente conseguiu se reunir com 26% deles.

Outros 6 são suplentes da comissão e podem votar em caso de ausência de 1 titular de seu bloco. O relator, deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), por exemplo, é 1 suplente no colegiado.

Desde que a denúncia se tornou o foco das atenções do governo, líderes de partidos aliados ao Planalto têm feito trocas nas indicações à comissão. Por isso, 1 deputado pode ter se encontrado com Michel Temer ainda como integrante da CCJ, mas ter sido substituído posteriormente – e vice-versa. O Poder360 levou em conta a composição do colegiado na 6ª feira (29.set.2017), às 18h, de acordo com a Câmara dos Deputados.