terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Destaques da coletiva de imprensa de Flávio Dino…

Na manhã desta terça-feira (19), o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), recebeu no Palácio dos Leões jornalistas para uma entrevista coletiva onde fez um balanço dos três anos de governo, relatados e resumidos em um vasto relatório de ações entregue. A pauta política acabou sendo fomentada também durante o encontro. Sobre 2017, o governador falou da instabilidade política nacional e dos desafios da gestão que, mesmo com as dificuldades, manteve programas e ações importantes.

– Secretários candidatos

Questionado pelo Blog do Domingos Costa sobre quando se dará a saída dos secretários que disputarão as eleições de 2016, o governador falou que no mês de fevereiro do ano que vem – após o carnaval – fará mudanças dos auxiliares de primeiro e segundo escalão que irão para a disputa eleitoral. “Os substitutos tomarão posse logo após o carnaval”, respondeu Dino.

– Sete dias de Férias 

Após a coletiva o governador confirmou ao titular desta página que entre os dias 02 a 09 de janeiro irá tirá uma minúscula férias. Em seu lugar assume vice-governador do Maranhão, Carlos Brandão. Nesses sete dias, Dino viajará com a família para local não revelado.

– Festival de mentiras

O chefe dos Leões ainda esclareceu que trata-se de um “festival de mentiras e especulações” a falácia que diz respeito a saída do secretário de Cultura e Turismo, Diego Galdino. “Por mim ele continua até dezembro de 2018, quando encerro este mandato”, disse Flávio. O governador assegurou que a pasta não será modificada e ainda deixou claro que nenhum partido condiciou apoio ao governo por controle de secretaria.

– Segurança no PT

Quando questionado acerca do apoio do PT, Flávio Dino foi enfático e afirmou possuir segurança em relação à sigla liderada pelo ex-presidente Lula. O governador aproveitou para ressaltar que se a legenda referendar o nome do ex-secretário de Esporte e Lazer Márcio Jardim para o Senado, este estará igualado aos demais aliados que pleiteiam a candidatura no grupo político do governo.

– Entrevista ultra-politizada I

Flávio Dino classificou de ultra-politizada a entrevista do delegado da Polícia Federal Wedson Cajé Lopes, à TV Mirante – de propriedade da família Sarney – na qual Cajé diz, de forma irresponsável, segundo Dino, que o governo contratou uma sorveteria para prestar serviços ligados à secretaria de Estado da Saúde.

– Entrevista ultra-politizada II

O governador também disse que em momento algum foi contra a Operação Pegadores, atuou com criticas, na verdade, diante da politização da ação da PF por parte do delegado Cajé. “Não me insurgir contra a operação da Policia Federal, mas sim contra a irresponsabilidade do delegado Cajé, que deu uma entrevista ultra-polítizada afirmando mentiras.”, concluiu.

– Chapa Dino/Brandão 

Ainda na coletiva, o governador Flávio Dino deixou claro sua preferência pela permanência do atual vice-governador Carlos Brandão na chapa do próximo ano. Para Dino, o ex-tucano mostrou muita liderança ao sair do PSDB e levar consigo deputados, prefeitos, vereadores e dezenas de lideranças. “É natural que o atual vice-governador continue”. Disse.

– Segunda vaga do Senado

Flávio Dino disse também que o anúncio de apoio ao nome de Weverton Rocha (PDT) como pré-candidato ao Senado, se deu pela grande coalizão de forças que o pedetista conseguiu agregar em curto espaço de tempo. “O apoio ao Weverton se tornou inevitável”, explicou. De outro modo, Dino disse que a definição no que diz respeito ao segundo nome da sua chapa ao senado ocorrerá logo após o mês de abril, prazo final das filiações.

– Se merecem

O governador ainda criticou o fato de o grupo Sarney querer se reaproximar do ex-presidente Lula mesmo tendo apoiado o impeachment de Dilma para que o presidente Michel Temer assumisse. “Eles já querem largar o Temer, aliás ele e o Sarney se merecem. Hoje o que estamos vendo é que o atual governo sofre uma Sarneyzação”, alfinetou.

– Hospital Metropolitano

Durante a coletiva, o governador anunciou que, em março, deverá iniciar a construção do Hospital Metropolitano, ou da Ilha. Uma unidade de urgência e emergência, que desafogará os Socorrões. A localização será na Avenida Rei de França em terreno pertencente ao Estado. A licitação já está prevista para o dia 24 de janeiro. A obra será custeada com recursos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Social) e Caixa Econômica.

– Governo sem greves expressivas

O governador exaltou ainda o fato de nesses três anos de seu governo não ter havido nenhuma greve expressiva contra o Estado. “Na gestão anterior os policiais e professores realizavam constantes paralisações, mas em nosso governo temos dialogado e valorizado as classes”, justificou.

– 400 fantasmas 

A última resposta do governador foi também a mais emblemática. Flávio falou sobre a invenção dos 400 funcionários fantasmas da secretaria de Estado da Saúde. “Inventaram uma lista de funcionários fantasmas, após muita pressão mandaram uma lista e foi provado que os nomes que constavam não eram de funcionários fantasma, mas sim de trabalhadores que exerciam suas funções, a exemplo dos médicos que denunciaram o episódio ao CRM”, afirmou o governador.

– 90% dos funcionários da gestão anterior

Flávio Dino continuou explicando que manteve 90% dos funcionários da gestão anterior que, de uma forma ou outra, prestavam serviços à Secretaria de Estado da Saúde. “Eu optei por mantê-los mesmo debaixo de muitas criticas dos próprios aliados, porque entendi que seria cruel uma demissão em massa, iria prejudicar muitas famílias.” Esclareceu. E acrescentou: “Em todos os hospitais inaugurados nesta gestão, e cito o de Pinheiro, Bacabal, Santa Inês, Balsas, Imperatriz, HTO houve processo seletivo, assim como também acontecerá em Chapadinha.” Finalizou.

Blog do Domingos Costa(com edição de fotos)