Emerson Araújo assumiu a Cadeira 17 da Academia Piauiense de Poesia no último dia 22 em Teresina

O professor e poeta tuntunense assumiu, no último dia 22(quinta-feira) a cadeira 17 da Academia Piauiense de Poesia (ACAPP) no auditório Torquato Neto do Clube dos Diários centro de Teresina.

Também assumiram novas cadeiras na ACAPP Rosângela Sousa e Cláudia Simone.
Emerson Araújo foi saudado na sessão magna de posse da ACAPP no Clube dos Diários pelo atual  presidente, Dermeval Silva, pela artista plástica Dora Medeiros e pelo médico e vice-presidente Dr. José Itamar Abreu Costa que enfatizaram a importância dos novos empossados naquela instituição a partir daquele ato.
Emerson Araújo assumiu a cadeira 17 da ACAPP cujo patrono é o poeta e sociólogo amarantino Clóvis Moura a quem o novo empossado fez elogiosas considerações no discurso de posse.
Estiveram acompanhando o novo acadêmico Emerson Araújo na posse da ACAPP a esposa Mônica Almeida, o filho Francisco de Araújo Silva, a irmã Íria Fernanda Silva e a sobrinha Cibele Silva.
Veja o discurso proferido por Emerson Araújo na posse da ACAPP:

Discurso de Posse na Academia Piauiense de Poesia ACAPP
Cadeira 17 - Patrono: Poeta Clóvis Moura

Boa Noite a Todas e Todos
Senhor Presidente,
Senhoras e Senhores Acadêmicos da ACAPP
Colegas Acadêmicas Rosângela Sousa e Cláudia Simone que tomam posse nesta noite,
Senhoras e Senhores,

É com imensa alegria que assumo uma cadeira na Academia Piauiense de Poesia nesta noite. Digo isso, também,  movido por uma profunda e real emoção indefinida ao ter como patronesse/patrono,  neste assento,  a presença imortal do poeta piauiense/amarantino Clóvis Moura.

Clóvis Steiger de Assis Moura,  a quem rendo profícuas homenagens, nesta noite, nasceu na cidade de Amarante em 1925 e faleceu em São Paulo em 2003. Foi sociólogo, historiador, jornalista e escritor, tendo iniciado sua trajetória intelectual em 1959 com “Rebeliões da senzala: quilombos, insurreições, guerrilhas” ensaio  sobre a Sociologia da Práxis Negra modulação teórica de toda a sua trajetória intelectual sob a égide do marxismo,  analisando a luta de classes no sistema escravista brasileiro do período colonial. Seu Dicionário da escravidão negra no Brasil” publicado  em 2004 pós-morte encerrou a sua trajetória intelectual no campo da sociologia na compreensão da raça negra do país ao lado de Florestan Fernandes e outros autores de ponta nesta área do conhecimento.

Senhoras e Senhores, Clóvis Moura, o patrono desta cadeira que passo a ocupar nesta magna sessão, foi, também,  militante político de esquerda e lutador integral das principais  causas do movimento  negro do país. Negro, teve a solicitude de ter causas a favor da humanidade, a favor do seu povo de cor e de luta pela inclusão social ao longo da história desta nação. Assim sendo a ser oferecido como patrono desta minha cadeira que hora a recebo o aceitei sem recuar por conta do seu lastro de militante e poeta, também,  dos melhores neste tempo de obscurantismos e falta de esperança.

Senhor Presidente desta Magna Casa, Senhores Acadêmicos/Acadêmicas presentes, neste ato, reafirmo aqui e agora o poeta Clóvis Moura, o autor do emblemático e antológico  livro de poesias  “Argila da memória”(1962). É este poeta negro que cantou a infância do interior com fulcro em Amarante, o Rio Parnaíba, o rio de todos nós e o folclore piauiense na imagética do cabeça de cuia.

Ouçamos um pouco de Clóvis Moura como construtor poético:

RIO SECO

Cemitério de peixes enterrados
no areal ardente e transparente,
pedras que furam os pés dos caminhantes
marcaram a transferência dos sedentos.

Pedaços de memórias marulhantes
ainda chegam à noite nos seus ecos
e roteiros de barcos são fantasmas
na memória de luas macilentas.

Há no sol que caustica as suas curvas
um sádico desdém por suas margens
que hoje se fundem ao leito que era líquido.

As carcaças de tíbias e caveiras
de bois marcam a distância do mistério
e o suor é sua linfa derradeira.

Senhoras e Senhores, findo estas palavras para agradecer a poetisa Marleide Lins Albuquerque pela insistência em me trazer para esta casa de poetas e poesias, por reconhecer a paciência e zelo da minha amada esposa Mônica Almeida, para saudar os meus filhos, filhas, netos e netas, minha mãe Rosinha e meu pai Hiran Silva (in memoriam), irmãos, irmãs, sobrinhos e sobrinhas, além dos meus amigos teresinenses e tuntunenses (irmãos da minha terra de origem) presentes,  nesta noite,  neste ato solene,  e como homenagem a Teresina nos seus 167 anos onde me fiz poeta desde a década de 70 do século passado, professor, jornalista,  pai, avô  e bacharel em direito passo a ler estes versos:


Elegia

Emerson Araújo

Elejo a palavra Teresina
Porque  em mim ela é carne
Pedra nos seus anônimos pelo cais
Dilema que é misto de pressa e sossego
Elejo Teresina.

Elejo a palavra Teresina
Porque labiríntica não deixa de ser amor
E como tal faz suas secretas histórias
Entre o céu e o meu calor
Elejo Teresina.

Elejo a palavra Teresina
Porque dédalo não deixa de ser pão
E como resposta aos seus inomináveis trabalhos
Mesa nem tão farta nem tão não
Elejo Teresina.

Elejo a palavra Teresina
Porque címbalo não deixa de ser canção
E como dissonância entre a asa e a dor

Réquiem da saudade, escarlata flor
Elejo Teresina.

Muito obrigado, boa noite!

Posted in  on 10:57:00 by Blog Bate Tuntum |